Agências
Acompanhe:

Milhares de estrangeiros lutaram na Síria, diz pesquisa

ICRS disse ter usado 1.500 fontes, entre elas reportagens, estimativas oficiais, comunicados de militantes extremistas e redes sociais


	Apoiador do presidente sírio Bashar al-Assad: relatório mostra que árabes e europeus formam a maior parte dos combatentes estrangeiros, com cerca de 80 por cento
 (Getty Images)

Apoiador do presidente sírio Bashar al-Assad: relatório mostra que árabes e europeus formam a maior parte dos combatentes estrangeiros, com cerca de 80 por cento (Getty Images)

D
Da Redação

17 de dezembro de 2013, 13h33

Beirute - Entre 3.300 a 11.000 combatentes de mais de 70 países, incluindo um número crescente de pessoas da Europa Ocidental, se juntaram aos rebeldes sírios no conflito contra as forças do presidente Bashar al-Assad, disse um grupo de pesquisa nesta terça-feira.

"Estimamos que de do final de 2011 até 10 de dezembro de 2013, de 3.300 a 11.000 pessoas foram para a Síria lutar contra o governo de Assad", afirmou o Centro Internacional para o Estudo da Radicalização (ICRS, na sigla em inglês), uma parceria entre cinco universidades, que tem sede no King's College, em London.

"Esses dados incluem os que estão no momento na Síria e aqueles que já voltaram, foram presos ou mortos", acrescentou.

O ICRS disse ter usado 1.500 fontes, entre elas reportagens, estimativas oficiais, comunicados de militantes extremistas e redes sociais.

O relatório mostra que árabes e europeus formam a maior parte dos combatentes estrangeiros, com cerca de 80 por cento, mas militantes do Sudeste Asiático, América do Norte, África, Balcãs e de países da ex-União Soviética também estão representados.