Acompanhe:

Celebrem aniversário da revolução pacificamente, diz Mursi

Mursi fez pedido em discurso que ofereceu na instituição muçulmana de Al-Azhar no Cairo por ocasião do feriado religioso e na véspera do segundo aniversário da revolução

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Mohamed Mursi: "Peço a todo o povo egípcio que celebre a ocasião do aniversário da revolução, que coincide com o nascimento do profeta, de uma maneira civilizada e pacífica"
 (Alberto Pizzoli/AFP)

Mohamed Mursi: "Peço a todo o povo egípcio que celebre a ocasião do aniversário da revolução, que coincide com o nascimento do profeta, de uma maneira civilizada e pacífica" (Alberto Pizzoli/AFP)

D
Da Redação

Publicado em 24 de janeiro de 2013 às, 17h52.

Cairo - O presidente egípcio, Mohammed Mursi, pediu nesta quinta-feira que a população celebre o segundo aniversário da revolução, que este ano coincide com o nascimento do profeta muçulmano Maomé, de forma "civilizada e pacífica".

Mursi fez este pedido em discurso que ofereceu na instituição muçulmana de Al-Azhar no Cairo por ocasião do feriado religioso e na véspera do segundo aniversário da revolução de 25 de janeiro de 2011.

"Peço a todo o povo egípcio que celebre a ocasião do aniversário da revolução, que coincide com o nascimento do profeta, de uma maneira civilizada e pacífica para proteger nossa pátria, nossos espíritos, nossas ruas e todo nosso país", afirmou Mursi.

A oposição não islamita deve organizar amanhã várias passeatas em direção à emblemática Praça Tahrir, epicentro da revolução, para insistir nos objetivos destas revoltas populares que causaram o fim do regime de Hosni Mubarak.

Em seu discurso, divulgado ao vivo pela televisão estatal egípcia, Mursi voltou a convidar a todas as partes a participar de um diálogo nacional, que está boicotado pela oposição não islamita.


Além disso, pediu a todos os partidos políticos que deem a prioridade à mulher em suas listas eleitorais para os próximos pleitos parlamentares.

No final de seu discurso, Mursi reconheceu que os resultados de seu trabalho não são totalmente satisfatórios e que ele mesmo espera uma melhora da situação de segurança no país e o fim da corrupção, entre outros objetivos.

"Temos que respeitar as regras da democracia e condenamos a violência nas diferenças políticas", assegurou.

Manifestantes e policiais se enfrentaram hoje com pedras e coquetéis molotov nos arredores de Tahrir, depois que grupos de revolucionários tentaram em várias ocasiões derrubar um muro de cimento colocado pelo Exército há semanas.

Últimas Notícias

Ver mais
Bússola de Poder: o saidão da Câmara
Um conteúdo Bússola

Bússola de Poder: o saidão da Câmara

Há 11 horas

Missão Forrest Gump: corredor britânico cruza a África após percorrer 16 mil km em 352 dias
Pop

Missão Forrest Gump: corredor britânico cruza a África após percorrer 16 mil km em 352 dias

Há 2 dias

Moro ainda pode perder o mandato? Entenda os próximos passos após senador ser absolvido no TRE-PR
Brasil

Moro ainda pode perder o mandato? Entenda os próximos passos após senador ser absolvido no TRE-PR

Há 3 dias

Análise do Alon: o debate econômico costeia o alambrado
Um conteúdo Bússola

Análise do Alon: o debate econômico costeia o alambrado

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais