Exame.com
Continua após a publicidade

Mais de 5 anos na mesma empresa? Este vídeo é para você

Rafael Souto, da Produtive, explica como deve ser a reflexão sobre o estágio de desenvolvimento na carreira

Exausto: qual a responsabilidade da empresa? (foto/Thinkstock)
E
Especialista

Publicado em 13 de setembro de 2017 às, 09h17.

Última atualização em 6 de dezembro de 2018 às, 13h36.

São Paulo -  Rafael Souto, presidente da Produtive, explica que o tempo de empresa importa menos do que a sensação de estar ou não se desenvolvendo na carreira. A base da reflexão é o conceito de ciclo ótimo de carreira. Confira a explicação, em mais um dos vídeos de carreira.

Continua após a publicidade

Veja Também

Lula deve ter ao menos 2 reuniões bilaterais em viagem à Guiana, diz Itamaraty
Brasil

Há 8 horas • 2 min de leitura

Lula deve ter ao menos 2 reuniões bilaterais em viagem à Guiana, diz Itamaraty

Aneel mantém bandeira tarifária verde em março, sem adicional nas contas de luz
Brasil

Há 8 horas • 2 min de leitura

Aneel mantém bandeira tarifária verde em março, sem adicional nas contas de luz

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade
Trump declara apoio à fertilização in vitro após Corte decidir que embriões congelados são crianças
Mundo

Há 8 horas • 2 min de leitura

Trump declara apoio à fertilização in vitro após Corte decidir que embriões congelados são crianças

BNDES aprova R$ 88,5 milhões para expansão da internet de banda larga na PB e no RN
Brasil

Há 8 horas • 2 min de leitura

BNDES aprova R$ 88,5 milhões para expansão da internet de banda larga na PB e no RN

Como a Nvidia (NVDA) virou destaque entre as Big Techs
seloMercados

Há 8 horas • 2 min de leitura

Como a Nvidia (NVDA) virou destaque entre as Big Techs

Greve mantém Torre Eiffel fechada na manhã de sábado
Mundo

Há 9 horas • 3 min de leitura

Greve mantém Torre Eiffel fechada na manhã de sábado

Como a Casa do Construtor fatura R$ 834 milhões alugando de furadeiras a betoneiras
seloNegócios

Há 9 horas • 5 min de leitura

Como a Casa do Construtor fatura R$ 834 milhões alugando de furadeiras a betoneiras