Tecnologia

YouTube já tem audiência maior que TV nos EUA, diz estudo

De acordo com levantamento realizado pelo Adroit Digital, 68% dos americanos fazem uso do YouTube - enquanto apenas 51% afirmam assistir a TV


	YouTube: 68% dos entrevistados afirmaram que usam o serviço online - contra 49% que veem Netflix
 (Rego Korosi)

YouTube: 68% dos entrevistados afirmaram que usam o serviço online - contra 49% que veem Netflix (Rego Korosi)

DR

Da Redação

Publicado em 4 de julho de 2014 às 11h18.

São Paulo - Uma pesquisa divulgada pelo instituto americano Adroit Digital revelou que o YouTube já tem um público maior do que a televisão nos EUA.

Cerca de 68% das pessoas entrevistadas para o levantamento afirmaram que usam o serviço online, enquanto apenas 51% confirmaram que assistem à TV. O Netflix vem logo atrás - tendo sido citado por 49% dos entrevistados.

"É inevitável que dólares tradicionalmente investidos em TV e TV a cabo terminem migrando para conteúdo online", afirma Adroit no relatório. Para o estudo, cerca de 2 mil pessoas donas de TVs, computadores e smartphones foram entrevistadas.

Outros números

O levantamento da Adroit contém ainda outros números interessantes. Um deles mostra que 28% dos entrevistados já consomem mais de 15 horas de streaming de vídeo por semana, por meio de videogames e dispositivos de TV online - como o Xbox One e o Google Cheromecast, respectivamente.

Na pesquisa, 56% dos participantes afirmaram que pulam os anúncios que aparecem nos vídeos. E 63% dos entrevistados afirmaram que, caso uma alternativa online conseguisse suprir todas as suas necessidades, suspenderiam sem medo suas assinaturas de TV paga.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleInternetNetflixServiços onlineTelevisãoTVTV a caboTV onlineYouTube

Mais de Tecnologia

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Vídeos curtos passam a ser a principal fonte de informação dos jovens, alerta relatório

Mais na Exame