Vida curta: Waze planeja dar fim ao serviço de caronas que lançou em 2018

Usuários poderão usar o recurso até setembro de 2022
Waze Carpool: a pandemia afetou a operação do serviço que custou a se recuperar (Lionel Bonaventure/AFP)
Waze Carpool: a pandemia afetou a operação do serviço que custou a se recuperar (Lionel Bonaventure/AFP)
A
André Lopes

Publicado em 25/08/2022 às 16:12.

Última atualização em 25/08/2022 às 16:31.

O fim do Waze Carpool está próximo. Segundo a empresa, o serviço de caronas embarcado no app de GPS controlado pelo Google deverá encerar sua operação globalmente a partir de setembro.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.

A justificativa é a queda brusca que a pandemia de coronavírus gerou na cultura de caronas pelo mundo. Nos principais mercado do Carpool, que incluem EUA, Brasil e Israel, o movimento foi sentido até mesmo pela Uber, que encerrou a opção de viagens compartilhadas mesmo com a flexibilização das restrições de saúde.

Outra contribuição importante na decisão da empresa foi o home office, mais comum agora, e que diminuiu as viagens até o trabalho - principal motivo de quem pegava carona no Waze Carpool.

De acordo com uma pesquisa recente, nos EUA 35% dos entrevistados disseram que podem trabalhar em casa em tempo integral. Outros 23% podem trabalhar em casa entre um e quatro dias por semana.

Com o derradeiro momento próximo, o Waze disse que explorará outras maneiras de ajudar a atender os 150 milhões de clientes em todo o mundo que usam seu aplicativo de navegação.

"Em 2020, a mobilidade urbana foi ressignificada. Por conta disso, gostaríamos de informar o encerramento do serviço Waze Carpool globalmente", informou o Waze em pronunciamento oficial.

"O nosso time seguirá atuando em melhorias na mobilidade urbana para ajudar as cidades a endereçar diversos desafios, como a diminuição de congestionamentos e o planejamento urbano", completa a companhia.

Veja Também

Gravadoras querem uma fatia maior dos US$ 12 bilhões do TikTok
Tecnologia
Há 3 semanas • 4 min de leitura

Gravadoras querem uma fatia maior dos US$ 12 bilhões do TikTok