Tecnologia

Versão em ouro do Nokia N97 mini custará R$ 2.249

Com previsão de lançamento no Brasil para a primeira semana de agosto, aparelho virá com máquina de café Nespresso de brinde para atrair clientes

Celular é revestido com ouro 18 quilates (.)

Celular é revestido com ouro 18 quilates (.)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de julho de 2010 às 16h49.

São Paulo - A Nokia anunciou nesta quarta-feira (28) uma edição limitada de luxo do modelo N97 mini que estará à venda no Brasil a partir da primeira semana de agosto. As características físicas, como forma e tamanho, e operacionais são exatamente as mesmas da versão convencional, porém agora o aparelho estará disponível com um revestimento de ouro 18 quilates.

O preço sugerido do Nokia N97 de ouro é de R$ 2.249, segundo a empresa. Para atrair compradores, o celular virá com uma máquina de café Nespresso modelo Essenza Automática C100 Black de brinde. O aparelho terá instalado ainda um aplicativo desenvolvido pela Nespresso que dá acesso a temas personalizados, filmes, dicas e receitas, informações sobre os tipos de café e os serviços oferecidos pelo Nespresso Club, envio de ofertas exclusivas e venda de máquinas e acessórios da marca pelo celular.

Assim, a versão brasileira do aparelho virá oficialmente com o nome de Nokia N97 mini Gold - Edição Especial Nespresso. O N97 mini tem tela touch screen e teclado QWERTY, câmera de 5 megapixel com foco automático e lente Carl Zeiss, conectividade 3G e Wi-Fi/WLAN e fácil acesso a redes sociais.

 

DIVULGAÇÃO/NESPRESSO


Nespresso Essenza Automática C100 Black: brinde na compra do celular

 

Leia outras notícias sobre a Nokia

 
Acompanhe tudo sobre:América LatinaCelularesDados de BrasilEmpresasempresas-de-tecnologiaIndústria eletroeletrônicaNokia

Mais de Tecnologia

Novidade no antigo Twitter: Elon Musk oculta curtidas no X

Muito além da IA: 10 novidades para esperar no seu iPhone e iPad

Brasil será primeiro país a receber recurso antirroubo do Google para android

Musk critica aliança Apple-OpenAI e ameaça barrar iPhone em suas empresas

Mais na Exame