Tecnologia

Usuários criticam Amazon por venda de ebook sobre WikiLeaks

Na semana passada, empresa tirou do ar site da organização, que ficava em seus servidores

Site WikiLeaks: ebook à respeito de vazamentos rende dinheiro à Amazon (Reprodução/WikiLeaks)

Site WikiLeaks: ebook à respeito de vazamentos rende dinheiro à Amazon (Reprodução/WikiLeaks)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de dezembro de 2010 às 16h02.

São Paulo – A Amazon virou alvo de protestos na internet nesta quinta-feira (9) por conta de um ebook para Kindle que entrou em seu catálogo de produtos à venda. O livro eletrônico em questão está disponível na versão britânica do site e tem o nome “WikiLeaks documents expose US foreign policy conspiracies. All cables with tags from 1- 5000” (“Documentos do WikiLeaks expõem conspirações de política externa dos Estados Unidos. Todos os telegramas com tags do 1 ao 5000”).

O título foi submetido à loja virtual pelo próprio autor, mas a Amazon recebe uma porcentagem sobre as vendas. Os internautas apontam que há uma contradição em a empresa se beneficiar do vazamento feito pelo WikiLeaks depois de ter boicotado o trabalho da organização.

É que a Amazon.com hospedava em seus servidores as páginas do WikiLeaks até a semana passada, mas decidiu tirar o site do ar alegando que o cliente teria violado os termos de serviço. A decisão, vista por muitos como uma forma de censura, obrigou o WikiLeaks a migrar suas páginas para um endereço na Suíça e a pedir ajuda de internautas de todo o mundo para conseguir se manter no ar.

O grupo de hackers Anonymous, que desde o início da semana vem promovendo ataques contra diversos sites em defesa do WikiLeaks, chegou a anunciar um ataque à Amazon nesta quinta-feira (9), mas a ação teria sido frustrada. “Não conseguimos atacar a Amazon neste momento”, disseram os activistas, segundo a CNN. “Não temos forças suficientes”.

Nesta tarde, os comentários a respeito do ebook com o maior percentual de votações positivas no site da Amazon.co.uk criticavam a empresa. “Amazon, isso é incrível: primeiro você bane os dados do WikiLeaks de seus servidores; depois você vende a mesma informação”, dizia uma das mensagens. “Hum, a Amazon me permitiria comprar isso usando minha conta no PayPal? E meu Visa ou Mastercard?”, ironizava outro usuário, citando outras empresas que também cancelaram serviços ao WikiLeaks nos últimos dias.

A Amazon ainda não se manifestou a respeito do assunto.

O anúncio do ebook, cuja autoria é atribuída a Heinz Duthel, deixa claro que o conteúdo dos telegramas propriamente dito não está à venda, já que pode ser obtido gratuitamente no WikiLeaks. “Este livro contém comentários e análises a respeito das recentes divulgações do WikiLeaks, não o material original divulgado via website”. O livro está a venda por 7,37 libras, o equivalente a R$ 19,74.

Não é a primeira vez que a Amazon é alvo de protestos de usuários por conta de obras colocadas à venda. No mês passado, um livro chamado “O Guia da Pedofilia para o Amor e o Prazer” acabou sendo retirado do catálogo após uma série de reclamações de internautas. Antes de remover o título de seu site, entretanto, a empresa chegou a se manifestar a favor da oferta da obra. “A Amazon não apoia ou promove o ódio ou atos criminosos. Porém, nós defendemos o direito de cada indivíduo poder realizar suas próprias decisões de compra”, dizia o comunicado.

A Amazon permite que autores e editoras enviem seus livros diretamente para publicação na plataforma de ebooks do Kindle. O autor ou a editora responsável pela obra recebe 70% do valor de cada exemplar vendido.

Acompanhe tudo sobre:AmazonComércioE-booksEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetInternetlojas-onlineSitesWikiLeaks

Mais de Tecnologia

Tecnologia vira aliada no cuidado de idosos na China

Ciberataques causam colapso em hospitais do Reino Unido

Oracle encerra negócio de publicidade após queda de receita

Seu iPhone será atualizado? Confira a lista de quais modelos vão receber o novo iOS 18

Mais na Exame