Tecnologia

TikTok é a marca mais valiosa da China em 2024, diz relatório

Empresa registrou um crescimento de 28% em 2024, atingindo US$ 84,2 bilhões em valor

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 14 de maio de 2024 às 17h24.

Tudo sobreTikTok
Saiba mais

A Brand Finance, uma empresa britânica de consultoria em avaliação de marcas, divulgou hoje o relatório “Brand Finance 500 China 2024”, classificando o TikTok como a marca número um.

O TikTok registrou um crescimento de 28% em 2024, atingindo US$ 84,2 bilhões em valor de marca. A marca também ocupa o sétimo lugar no ranking mundial de valor de marca.

O Banco Industrial e Comercial da China ficou em segundo lugar, ocupando o décimo lugar mundial, com um crescimento de 3% no valor de marca, atingindo US$ 71,8 bilhões. O TikTok e o Banco Industrial e Comercial da China são as únicas duas empresas chinesas a entrar no top dez mundial de valor de marca em 2024.

A State Grid Corporation of China ficou em terceiro lugar, com um crescimento de 21% no valor de marca, atingindo US$ 71,1 bilhões. Globalmente, ficou em 12º lugar.

As 25 principais marcas classificadas são:

1. TikTok (crescimento de 28%, valor de marca de US$ 84,2 bilhões)
2. Banco Industrial e Comercial da China (crescimento de 3%, valor de marca de US$ 71,8 bilhões)
3. State Grid Corporation of China (crescimento de 21%, valor de marca de US$ 71,1 bilhões)
4. Banco de Construção da China (crescimento de 5%, valor de marca de US$ 65,6 bilhões)
5. Banco Agrícola da China (crescimento de 5%, valor de marca de US$ 60,4 bilhões)
6. Banco da China (crescimento de 7%, valor de marca de US$ 50,5 bilhões)
7. Grupo Kweichow Moutai (crescimento de 1%, valor de marca de US$ 50,1 bilhões)
8. Ping An da China (redução de 1%, valor de marca de US$ 44,4 bilhões)
9. China Mobile (crescimento de 2%, valor de marca de US$ 44,2 bilhões)
10. WeChat (redução de 17%, valor de marca de US$ 41,8 bilhões)
11. Tencent (redução de 5%, valor de marca de US$ 36,1 bilhões)
12. Huawei (redução de 30%, valor de marca de US$ 31,1 bilhões)
13. China Construction (redução de 6%, valor de marca de US$ 30 bilhões)
14. PetroChina (redução de 4%, valor de marca de US$ 28,5 bilhões)
15. Sinopec (crescimento de 5%, valor de marca de US$ 28,5 bilhões)
16. Banco de Comércio da China (crescimento de 9%, valor de marca de US$ 26,6 bilhões)
17. Wuliangye (redução de 15%, valor de marca de US$ 25,9 bilhões)
18. TSMC (crescimento de 16%, valor de marca de US$ 25,1 bilhões)
19. Taobao (redução de 34%, valor de marca de US$ 20,1 bilhões)
20. Contemporary Amperex Technology (crescimento de 29%, valor de marca de US$ 19 bilhões)
21. Tmall (redução de 32%, valor de marca de US$ 18,6 bilhões)
22. Banco Postal e Poupança da China (crescimento de 7%, valor de marca de US$ 18,3 bilhões)
23. Banco de Transporte da China (redução de 4%, valor de marca de US$ 18,3 bilhões)
24. China Life Insurance (crescimento de 1%, valor de marca de US$ 18 bilhões)
25. JD.com (redução de 6%, valor de marca de US$ 17,8 bilhões)

O relatório também menciona que a BYD viu um aumento de 20% no valor de sua marca para US$ 12,1 bilhões durante o período de 2023-2024, tornando-se a única marca chinesa de automóveis a fazer parte do top 500 global em 2024.

Além disso, o relatório mostra as 10 principais marcas chinesas em percepção de valor de desenvolvimento sustentável, com o TikTok liderando com um valor de percepção de desenvolvimento sustentável de US$ 9,2 bilhões; seguido pela State Grid Corporation of China, com US$ 7,7 bilhões; e o Grupo Kweichow Moutai em terceiro lugar, com US$ 5,8 bilhões.

As demais marcas são:

4. Banco Industrial e Comercial da China (US$ 5,2 bilhões)
5. WeChat (US$ 5,1 bilhões)
6. Banco de Construção da China (US$ 4,8 bilhões)
7. Banco Agrícola (US$ 3,6 bilhões)

Acompanhe tudo sobre:TikTokChina

Mais de Tecnologia

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Contra Huawei, Apple corta preço de iPhone na China

TikTok passa a testar vídeos de 60 minutos e acirra disputa com YouTube

Mais na Exame