Tecnologia

Telegram adiciona pagamentos por criptomoeda direto do aplicativo

Usuários do Telegram agora podem realizar transações usando a stablecoin USDT

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 20 de abril de 2024 às 14h40.

O serviço de mensagens criptografadas Telegram anunciou na última sexta-feira, 19, que seus usuários poderão agora enviar e receber pagamentos em USDT, uma stablecoin emitida pela Tether, através da The Open Network (TON). TON é uma rede blockchain originalmente desenvolvida pelo Telegram, que atualmente é mantida por desenvolvedores de código aberto e já está integrada ao aplicativo.

Para utilizar a nova funcionalidade, os usuários precisam primeiro configurar uma carteira de criptomoedas através do bot "Wallet" disponível no próprio app, acessível pela barra de pesquisa. Após a configuração, é possível adquirir USDT e realizar transações escolhendo o token da Tether como opção de pagamento.

A iniciativa do Telegram pode contribuir para uma maior popularização do USDT, em um momento em que as stablecoins ganham espaço como alternativa ao bitcoin e outras moedas. Ess

as criptomoedas têm seu valor atrelado a ativos subjacentes, como o dólar norte-americano, garantindo essa paridade por meio da reserva de uma quantidade equivalente de ativos para cada token emitido.

Apesar das vantagens, as stablecoins enfrentam críticas e questionamentos sobre a transparência e suficiência de suas reservas, especialmente no caso do Tether, que já viu seu token desvalorizar temporariamente abaixo de 1 dólar em diversas ocasiões. A Tether, por sua vez, assegura que seu token é completamente respaldado por reservas de qualidade e que sempre conseguiu atender às solicitações de resgate, mesmo em períodos de crise.

Acompanhe tudo sobre:TelegramCriptomoedasApps

Mais de Tecnologia

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Contra Huawei, Apple corta preço de iPhone na China

TikTok passa a testar vídeos de 60 minutos e acirra disputa com YouTube

Mais na Exame