Tecnologia

Tectoy e Qualcomm anunciam game para emergentes

Videogame Zeebo chega para desafiar pirataria e permite download de jogos por redes 3G ou Edge

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de julho de 2012 às 15h53.

Para ocupar uma fatia do mercado mundial de videogames, que deverá ser de 68 bilhões de dólares em 2012, a Zeebo – empresa formada pela Tectoy e a Qualcomm – criou um console de mesmo nome totalmente voltado para mercados emergentes. Assim, a empresa oficialmente passa a desafiar o mercado pirata.

O equipamento tem plataforma própria, é isento de mensalidades, oferece jogos em português e permite que os usuários baixem novos jogos via rede de terceira geração (3G) ou de celulares (Edge).

“A aquisições dos créditos para desses downloads poderá ser por cartões pré-pagos da Claro, cartões de crédito, boletos bancários ou débito em conta”, afirma o diretor-presidente da empresa, Fernando Fischer. Os jogos terão três faixas de preço: 9,90, 19,90 e 29,90 reais.

Depois de comprar o equipamento o usuário só precisa conectá-lo à televisão e esperar alguns segundos até que automaticamente o produto capte a rede wireless disponível. “O tempo médio de download de um vídeo de 30 MB é de 3 minutos via rede 3G ou de 12 minutos via Edge”, completa.

A intenção da empresa é se consolidar como a quarta plataforma mundial de games, o que significa ficar atrás apenas do Playstation, da Sony; do Wii, da Nintendo e do Xbox, da Microsoft. Para isso estão estabelecidas parcerias com desenvolvedores de jogos como Sega, Nanco, Activison, Capcom e outras.

Segundo a Tectoy, para esses desenvolvedores de conteúdo vai valer a pena a parceria, já que o custo será de cerca de 400 mil dólares, contra 1 milhão de dólares aplicados para um jogo nas plataformas já estabelecidas.

O equipamento recebeu investimentos de 17, 2 milhões de reais. A maior parte veio da Qualcomm, que aplicou 5,4 milhões de dólares na empresa, que reverteu 100% dos recursos no novo produto.

Deve chegar às lojas a partir de abril do próximo ano, mas em apenas uma cidade, ainda a ser definida. “Uma capital”, adianta. Apesar disso, como o anúncio já foi feito, a empresa já tem uma linha de produção trabalhando no produto, na fábrica de Manaus (AM). “Não queremos criar o anseio e logo depois explicar a falta do videogame nas prateleiras”, diz.


O valor do videogame, mesmo com alterações de dólar deverá custar 600 reais, segundo o diretor-presidente da Tectoy. O executivo explica que apesar da alta do dólar e de o diretor-executivo saber que a elevação da moeda americana acima de 2,10 reais afeta os componentes vindos de fora do País, não se considera mexer no preço. “É para a classe média, não podemos passar dessa faixa”, diz.

A idéia do download dos jogos é semelhante ao modelo de aquisição de livro da Amazon Kindle, livro eletrônico lançado pela Amazon.com.

O leitor do e-books pode comprar diretamente as obras da Amazon.com, por meio de conexão sem fio.

Mas em uma tentativa de evitar críticas semelhantes, Fischer diz que a maior extravagância com o produto foram os gastos para a definição do design.

Além disso, para que o produto não fique comprometido com o armazenamento total – 1 GB está disponível – existe uma memória flash e um drive virtual no servidor será inserido até o próximo ano.

Nesta quarta-feira (12/11), a Tectoy também anunciou que fechou mais um semestre com as finanças saudáveis. Não significa que o resultado foi positivo, mas eles os executivos da companhia brincam dizendo que há excessos apenas de “colesterol bom”. “Se você tirar o valor do investimento no Zeebo, fechamos no azul”, afirma Fischer.

De acordo com o reporte à Bovespa, a receita líquida foi de 30,96 milhões de reais nos primeiros nove meses deste ano. O prejuízo líquido ficou em 1,44 milhões de reais.

Acompanhe tudo sobre:BrinquedosGamesTectoy

Mais de Tecnologia

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Vídeos curtos passam a ser a principal fonte de informação dos jovens, alerta relatório

Mais na Exame