Acompanhe:
Apresentado por Siemens

Saúde entra na era da indústria 4.0

Automatização de laboratórios de diagnóstico aumenta a produtividade, gera resultados mais precisos e garante conforto a pacientes e médicos

Modo escuro

Continua após a publicidade
Tecnologia na saúde: automação industrial gera novos processos que aprimoram a logística dos laboratórios de análises clínicas e garantem resultados mais precisos
 (iStockphoto/iStockphoto)

Tecnologia na saúde: automação industrial gera novos processos que aprimoram a logística dos laboratórios de análises clínicas e garantem resultados mais precisos (iStockphoto/iStockphoto)

E
Estúdio ABC

Publicado em 22 de julho de 2016 às, 15h53.

Última atualização em 7 de julho de 2017 às, 12h09.

Engana-se quem pensa que a automatização de processos vai se restringir ao chão de fábrica. Uma nova lógica de produção nascida com a indústria 4.0, também conhecida como a quarta revolução industrial, deu início a um processo de digitalização sem precedentes em empresas de todos os tipos e tamanhos, incluindo as que atuam na área de saúde.

Um exemplo? A automatização tem levado cada vez mais inteligência ao processamento de exames laboratoriais. Máquinas interconectadas conversam e trocam comandos entre si, organizam o envio de material biológico para o equipamento correto e geram resultados mais precisos e em tempo cada vez mais curto.

Esse é o caso do Grupo Sabin, laboratório que nasceu em Brasília e hoje possui cerca de 200 unidades em oito estados e 3 000 funcionários. Uma nova sede prevista para começar a operar no segundo semestre deste ano, em Brasília, vai ampliar e modernizar o parque tecnológico da empresa.

Entre as novas plataformas de automação laboratorial está uma esteira de 70 metros que será conectada a 25 robôs capazes de fazer análises de amostras nas áreas de bioquímica, sorologia, hormônios e coagulação. O sistema permitirá à empresa dobrar sua capacidade técnica em até cinco anos, podendo chegar a 4 milhões de exames por mês.

Funcionará assim: quando o tubo do exame sair do centro de coleta e chegar ao centro de processamento, um software identificará as informações sobre o paciente e os pedidos médicos para encaminhar o material aos equipamentos específicos. “O contato do nosso funcionário com a amostra biológica é mínimo, o que reduz também qualquer risco de contaminação, além de aumentar a capacidade produtiva”, afirma Lídia Abdalla, presidente executiva do Grupo Sabin.

Com o investimento em novas tecnologias, o Sabin passará a fazer dentro de casa alguns exames que seguiam para parceiros. A tecnologia otimiza o fluxo de trabalho e eleva a qualidade do diagnóstico, assim como o conforto do paciente, uma vez que um único tubo de sangue pode ser usado em vários exames. “O uso da tecnologia coloca à disposição do cliente o que se tem de melhor no mercado em termos de diagnóstico e análises clínicas”, diz Lídia.

Também pensando no conforto do paciente, o laboratório Richet, do Rio de Janeiro, inaugurou, em junho deste ano, o conceito de One Stop Shop, que reúne no mesmo lugar serviços laboratoriais e de diagnóstico de imagem. Tendência mundial, a integração de todos os serviços no mesmo centro de atendimento ainda não tinha chegado à cidade.

No Rio de Janeiro, ainda é mais comum a realização de exames de sangue e de imagem em laboratórios distintos. Mas o Richet quer mudar esse conceito com sua nova unidade. “Em um único lugar, o paciente pode agendar tanto o exame de sangue quanto o de imagem para resolver tudo de forma mais rápida”, afirma Helio Magarinos Torres Filho, diretor médico do Richet.

Com investimento de aproximadamente 15 milhões de reais, a unidade recém-inaugurada recebeu uma série de equipamentos de última geração que ampliaram e modernizaram o parque tecnológico da empresa. Entre os equipamentos para exames de imagem estão, por exemplo, aparelhos de ressonância magnética, tomografia computadorizada, PET-CT e raios X digitais. Além disso, a nova unidade se beneficiará também de uma esteira de automação laboratorial de exames de análises clínicas.

O novo laboratório oferece ainda atendimento personalizado ao paciente. Durante o agendamento, é possível enviar os dados pessoais e os pedidos médicos para agilizar o atendimento no dia marcado. Se quiser que o processo seja ainda mais rápido, o paciente poderá agendar até mesmo o exame de sangue.

“É uma tendência no modelo de negócios a consolidação de atividades correlatas para fazer com que o paciente tenha o conforto de realizar, em um mesmo período, todos os exames necessários”, diz Enrico De Vettori, sócio e líder nas áreas de life science e healthcare da consultoria Deloitte.

Os benefícios também se estendem ao médico, que não só é avisado quando os exames estão prontos como pode acessar os resultados em uma plataforma pela internet. “Além de ter uma visão mais globalizada do paciente, quem faz o laudo tem dados adicionais para confirmar o resultado ou conversar com o médico sobre o caso”, afirma Torres.

Os movimentos feitos pelos laboratórios Sabin e Richet são exemplos de como a área de saúde tem se reinventado com a criação de novos processos que transformam a logística das análises clínicas. “De todos os negócios hoje no Brasil, um dos que mais tem mudado e incorporado a alta tecnologia é o da saúde”, afirma Vettori, da Deloitte.

Segundo ele, as novas tecnologias devem mudar ainda mais esse setor num futuro próximo. “Gastamos muito dinheiro na fase final de vida do paciente. A tendência, agora, é investir mais em prevenção”, diz Vettori. Isso será possível com o auxílio do conceito de indústria 4.0, que, além de informatizar e gerar produtividade, também poderá melhorar a qualidade de vida da população.

LEIA TAMBÉM
Entenda como a crise impacta a saúde
Tecnologia transforma gestão na área de saúde
O Brasil está pronto para a indústria 4.0?
Como será o profissional da indústria 4.0
Como construir uma fábrica do futuro hoje
Por que precisamos de redes inteligentes
Esqueça a forma como você consome energia

Últimas Notícias

Ver mais
“O ciclo de vida de um CIO não é muito longo”, diz consultor americano
seloRevista Exame

“O ciclo de vida de um CIO não é muito longo”, diz consultor americano

Há 4 meses

Chinesa Guoxuan High-Tech e Siemens fecham acordo de cooperação
Tecnologia

Chinesa Guoxuan High-Tech e Siemens fecham acordo de cooperação

Há 9 meses

150 executivos europeus assinam carta questionando regulação da UE sobre inteligência artificial
Inteligência Artificial

150 executivos europeus assinam carta questionando regulação da UE sobre inteligência artificial

Há 10 meses

Siemens investe US$ 154 milhões em expansão de fábrica digital em Chengdu, na China
Mundo

Siemens investe US$ 154 milhões em expansão de fábrica digital em Chengdu, na China

Há 10 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais