Tecnologia

Nova tecnologia da FIFA promete marcar impedimentos com precisão na Copa do Mundo

O novo recurso funcionará em conjunto com o VAR tradicional e terá suas decisões exibidas no telão dos estádios

ROTTERDAM, NETHERLANDS - JUNE 11: Halil Umut Meler (referee) looking at the VAR screen to see if he made the right decision during the UEFA Nations League League A Group 4 match between Netherlands and Poland at Stadium Feijenoord on June 11, 2022 in Rotterdam, Netherlands. (Photo by Perry vd Leuvert/NESImages/DeFodi Images via Getty Images) (NESImages/DeFodi/Getty Images)

ROTTERDAM, NETHERLANDS - JUNE 11: Halil Umut Meler (referee) looking at the VAR screen to see if he made the right decision during the UEFA Nations League League A Group 4 match between Netherlands and Poland at Stadium Feijenoord on June 11, 2022 in Rotterdam, Netherlands. (Photo by Perry vd Leuvert/NESImages/DeFodi Images via Getty Images) (NESImages/DeFodi/Getty Images)

Dificil de marcar até em tempos de VAR, a regra do impedimento na Copa do Mundo do Catar terá uma ajuda bem hi-tech. Na próxima edição do evento entra em cena o “impedimento semiautomático”, com está sendo chamado pela FIFA, e tem como objetivo tornar as marcações mais rápidas e eficientes.

O novo sistema consistente em câmeras especiais, que monitoram quase 30 possíveis pontos de contato do corpo do jogador cinquenta vezes por segundo. Em conjunto, os dados das câmeras serão cruzados com os do chip de movimento incorporado no corpo da bola oficial da Copa, batizada como Al Rihla.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME por menos de R$ 11/mês.

O novo recurso funcionará em conjunto com o VAR tradicional. Segundo a FIFA, a ideia é usar a tecnologia da maneira mais transparente possível, muito por conta das grandes polêmicas envolvendo o VAR em vários campeonatos pelo mundo.

Com o impedimento semiautomático, a expectativa é que os impedimentos mais complicados, que levam mais um minuto para serem marcados, serão detectados em menos de trinta segundos, o que resultará em mais tempo de bola rolando e menos tempo de paralisação na partida para decisões de arbitragem.

Os árbitros escalados para apitar as partidas do mundial vão receber um treinamento de duas semanas da FIFA para operar a nova tecnologia.

Acompanhe tudo sobre:Copa do MundoFifaFutebol

Mais de Tecnologia

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Vídeos curtos passam a ser a principal fonte de informação dos jovens, alerta relatório

Mais na Exame