Tecnologia

Netflix tem mais procura do que alternativas piratas, diz Google

E, sem saber a que assistir, internautas recorrem ao YouTube para saber mais sobre filmes

 (Daniel Acker/Bloomberg)

(Daniel Acker/Bloomberg)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 10 de novembro de 2017 às 05h55.

Última atualização em 10 de novembro de 2017 às 10h24.

São Paulo – Um novo estudo do Google indica que a Netflix tem mais procura do que suas alternativas piratas, como torrents, aplicativos e sites de filmes e séries irregulares. O dado aparece na pesquisa anual da empresa sobre cinema.

A virada da Netflix aconteceu em novembro de 2016 e se mantém até hoje, segundo dados da ferramenta de análise de buscas Google Trends.

Netflix-piratas-google-

- (Google Brasil/Divulgação)

O dado não denota que o Brasil não baixa mais filmes e séries pirateadas, mas sim que a Netflix, pela facilidade da oferta instantânea de conteúdos e exclusividades, responde bem à necessidade de acessar vídeos na internet.

"Não estamos baixando menos pirataria. O brasileiro ainda baixa muito na internet, mas isso mostra como a marca ficou relevante oferecendo conteúdo online", afirmou Sérgio Tejido, líder de inteligência de mercado no Google Brasil.

Para Debora Bonazzi, diretora para a indústria de mídia e entretenimento do Google Brasil, o movimento à Netflix é semelhante ao que aconteceu com o surgimento do Spotify. "O acontecimento é interessante. Desde que começaram soluções de streaming, como Netflix e Spotify, elas se tornam alternativas à pirataria. A Suécia tinha muitos problemas com pirataria de músicas e a chegada do Spotify inverteu essa curva", disse Bonazzi a EXAME.

A Netflix está disponível no Brasil desde 2011, mas o aumento nas buscas online foi expressivo entre os anos de 2013 e 2016: 284%.

As pessoas não sabem o que assistir

A oferta de filmes disponível aumenta a cada dia, seja no cinema ou em plataformas digitais, e os internautas recorrem à internet para escolher o que vão assistir. 65% das pessoas que responderam ao levantamento do Google disseram procurar na web sobre novos filmes, enquanto 35% pedem recomendações aos amigos. Ainda nesse ponto, 51% das buscas no YouTube são sobre conteúdo e, segundo relatório do Google, a plataforma de vídeos é também o principal buscador de conteúdos adicionais sobre filmes.

O trailer não é a única forma de divulgação de um filme, análises e conteúdos adicionais também são buscados. E conteúdo é o que não falta: o YouTube Brasil tem o equivalente a 12 mil anos de vídeos disponíveis só sobre cinema.

A publicidade online também ajuda a aumentar o interesse em ir ao cinema. O Google informa que a intenção de compra de ingresso aumenta, em média, 40% com campanhas de marketing executadas no YouTube.

De acordo com o Google Brasil, os canais de YouTube que falam sobre cinema tendem a ter cada vez mais procura nos próximos tempos. Em 2016, canais desse gênero tiveram crescimento de 221% em compartilhamentos, 133% em curtidas, 177% em inscritos e 117% em comentários, segundo o Google.

Acompanhe tudo sobre:CinemaGoogleNetflixYouTube

Mais de Tecnologia

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Plano do Instagram para engajar usuários pode dar certo?

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Mais na Exame