Tecnologia

MP investiga site que vende seu nome, CPF e endereço

Site Tudo Sobre Todos segue na ativa vendendo ilegalmente dados de brasileiros

O site Tudo Sobre Todos comercializa na internet informações pessoais de milhares de brasileiros sem o consentimento (Reprodução/Leonardo Veras/Reprodução)

O site Tudo Sobre Todos comercializa na internet informações pessoais de milhares de brasileiros sem o consentimento (Reprodução/Leonardo Veras/Reprodução)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 11 de julho de 2018 às 07h00.

Última atualização em 11 de julho de 2018 às 07h00.

São Paulo – O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios abriu inquérito para investigar a venda de dados pessoais por meio do site Tudo Sobre Todos, que existe desde 2015.

Após idas e vindas, a página permanece no ar, agora com um domínio sueco. A Comissão de Proteção de Dados Pessoais do MPDFT pediu aos buscadores, como Google e Bing, a remoção do site de seus resultados de pesquisas, visando dificultar o acesso.

Para a venda de créditos que podem ser comprados para serem trocados por dados pessoais, a equipe por trás do Tudo Sobre Todos usa o Mercado Livre. A empresa foi notificada pelo MPDFT para que promova a suspensão de contas associadas com essas vendas.

Outro método adotado pelos responsáveis pela página é a venda de créditos via bitcoin, a mais conhecida entre as criptomoedas, que é difícil de ser rastreada por não ser controlada por entidades bancárias.

Procurados, Google e Microsoft não se pronunciaram sobre o caso até a publicação desta matéria.

O Mercado Livre disse que ainda não foi notificado, mas informou estar disponível para colaboração com as autoridades para esclarecimentos.

Acompanhe tudo sobre:Ministério PúblicoPrivacidadeSites

Mais de Tecnologia

Executiva da Baidu faz publicação polêmica no TikTok e pede demissão logo depois

Rio Grande do Sul: IA possibilita "match" entre animais desaparecidos e tutores

Com 3 milhões de ouvintes, maior podcast do Brasil é evangélico e baseado em livro best-seller

Plataforma criada por voluntários do Rio Grande do Sul já resgatou 12 mil pessoas

Mais na Exame