Tecnologia

Meta forma equipe de produto de IA para competição em chatbot

O recém-formado grupo de produtos da Meta incluirá dezenas de funcionários de equipes que antes estavam espalhadas pela empresa

Mark Zuckerberg, da Meta: corrida para se tornar mais competitivo em IA (David Paul Morris//Getty Images)

Mark Zuckerberg, da Meta: corrida para se tornar mais competitivo em IA (David Paul Morris//Getty Images)

Bloomberg
Bloomberg

Agência de notícias

Publicado em 28 de fevereiro de 2023 às 14h37.

Última atualização em 28 de fevereiro de 2023 às 14h37.

A batalha dos chatbots está esquentando e Mark Zuckerberg deixou claro que a Meta também foca em ferramentas baseadas em inteligência artificial.

"Estamos criando na Meta um novo grupo de produtos de alto nível focado em geração de IA para turbinar nosso trabalho nessa área"Mark Zuckerberg, CEO da Meta

“Temos muito trabalho de base a fazer antes de chegar às experiências realmente futurísticas, mas estou animado com todas as coisas novas que construiremos ao longo do caminho.”

Por enquanto, disse ele, a empresa tenta usar a tecnologia com chats de texto nos aplicativos de mensagens da Meta, WhatsApp e Messenger, e em filtros visuais para fotos e vídeos em plataformas como o Instagram. “Vamos nos concentrar no desenvolvimento de personas de IA que podem ajudar as pessoas de várias maneiras”, acrescentou.

Na segunda-feira, 27, a rede social rival Snap disse que está lançando um chatbot habilitado para IA alimentado pela tecnologia GPT da OpenAI aos assinantes do aplicativo Snapchat. A notícia da Snap foi a mais recente entrada na corrida para oferta de ferramentas digitais que podem responder às perguntas dos usuários em formato de linguagem natural, seguindo lançamentos-teste semelhantes de pesos-pesados da internet, como Microsoft e Alphabet.

O grupo será liderado por Ahmad Al-Dahle, executivo de machine learning e inteligência artificial da Meta, de acordo com um porta-voz. Al-Dahle se reportará diretamente ao diretor de produtos da Meta, Chris Cox, um sinal da intenção da gigante das redes sociais em integrar ainda mais este tipo de tecnologia à gama de produtos da Meta.

A última postagem de Zuckerberg ecoa os comentários que ele fez na teleconferência de resultados da Meta no início deste mês — que a empresa está focada em incutir IA em mensagens, no negócio de publicidade e em seu algoritmo que decide qual conteúdo as pessoas vêem no Facebook e no Instagram.

“Estamos focados na eficiência e continuamos a simplificar a empresa para podermos executar essas prioridades”, disse ele na época, apenas alguns meses depois de demitir 13% da força de trabalho da Meta.

Na semana passada, o CEO revelou um grande modelo de linguagem chamado LLaMA, uma ferramenta de pesquisa para construir chatbots e outros produtos baseados em IA. A empresa planeja disponibilizar a tecnologia para pesquisadores de IA, uma decisão que permitirá que pessoas de fora vejam com mais clareza como o sistema funciona, ajustem-no de acordo com suas necessidades e colaborem em projetos relacionados.

Acompanhe tudo sobre:FacebookMetaverso

Mais de Tecnologia

Vício em TikTok? O que é 'brainrot' e por que o termo está tão em alta

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Mais na Exame