Tecnologia

LG e Microsoft se unem para computação em nuvem

Virtualização também é objetivo do acordo firmado entre as duas empresas, para ajudar as empresas a reduzirem custos

O CEO da Microsoft, Steve Ballmer: parceria com a LG deve render 12 milhões de monitores para computação em nuvem até 2012 (Getty Images)

O CEO da Microsoft, Steve Ballmer: parceria com a LG deve render 12 milhões de monitores para computação em nuvem até 2012 (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 30 de setembro de 2010 às 11h27.

Seul - A sul-coreana LG Electronics anunciou nesta quinta-feira que firmou parceria com a Microsoft para computação em nuvem e virtualização, tecnologias que auxiliam empresas a reduzir custos.

Sob o acordo, a LG irá disponibilizar monitores integrados com software da Microsoft. Os monitores funcionarão como computadores virtuais, permitindo que usuários utilizem programas a partir de um único PC, afirmou a LG. A tecnologia de virtualização permite que um único computador execute o trabalho de diversas máquinas.

A aliança terá como primeiro foco o mercado de soluções em virtualização para instituições educacionais, com o objetivo de ocupar a liderança no segmento, alcançando participação de mercado de 25 por cento em 2012. A expectativa é de que o segmento cresça mais de 50 por cento a cada ano, chegando a 6 milhões de unidades em 2012 e 20 milhões em 2015, segundo a LG.

As duas empresas também irão atuar em parceria no lançamento de monitores para computação em nuvem, tecnologia que permite ao usuário acessar dados e programas via Internet. Esse segmento deve atingir 12 milhões de unidades em 2012, estima a LG.

Leia mais notícias sobre a Microsoft e sobre a LG

Siga as notícias do site EXAME sobre Tecnologia no Twitter

Acompanhe tudo sobre:Computação em nuvemEmpresasEmpresas americanasEmpresas coreanasempresas-de-tecnologiaIndústria eletroeletrônicaLGMicrosoftTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Vídeos curtos passam a ser a principal fonte de informação dos jovens, alerta relatório

69% dos brasileiros acreditam que seus aparelhos espionam suas conversas

Segurança em xeque: Microsoft prioriza lucro e deixa governo dos EUA vulnerável

Mais na Exame