Tecnologia

Google troca comando de divisão de carros autônomos

A empresa chamada Waymo tem parcerias com montadoras como Fiat, Volvo, Daimler e Jaguar

Carro: protótipo de veículo autônomo do Google (Google/Divulgação)

Carro: protótipo de veículo autônomo do Google (Google/Divulgação)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 3 de abril de 2021 às 13h37.

Última atualização em 3 de abril de 2021 às 13h38.

O Google trocou o comando da Waymo, sua companhia subsidiária dedicada a carros autônomos, ou seja, aqueles que podem andar sem a intervenção direta de um motorista. O CEO John Krafcik deixou o cargo para permanecer como conselheiro da empresa. Em seu lugar, o Google colocará dois executivos de alto-escalão da companhia: Tekedra Mawakana, chefe de operações, e Dmitri Dolgov, chefe de tecnologia.

Krafcik informou ao jornal americano Financial Times que planejava deixar o cargo antes, mas a pandemia de covid-19 acabou atrasando seu cronograma.

Apesar de ainda não possuir produtos comerciais para consumidores, a Waymo já firmou parcerias, em 2018, com Jaguar e Fiat Chrysler para produzir 80 mil veículos autônomos para frotas das montadoras. No ano passado, a companhia assinou contratos com Volvo, Fiat e Daimler para criar seus veículos de tecnologia de ponta para as montadoras.

A abordagem da Waymo nos negócios é bastante diferente da adotada pela também americana Tesla, liderada por Elon Musk, que vende carros elétricos com sistemas de piloto-automático. Apesar do nome, os carros da Tesla precisam de acompanhamento humano constante. Enquanto a Waymo atua mais no mercado de empresas para empresas, ela é apontada como a maior do setor no mundo desde sua criação, em 2009.

Acompanhe tudo sobre:CarrosCarros autônomosGoogle

Mais de Tecnologia

Você sabe o que é telemática? Tecnologia reduziu em 40% as taxas de colisões em estradas, diz estudo

Instagram está implementando 'live' apenas para melhores amigos

Vício em TikTok? O que é 'brainrot' e por que o termo está tão em alta

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Mais na Exame