Acompanhe:

Google começa a cortar laços com a Huawei

Em meio a tensões comerciais, Trump proibiu que empresas americanas façam negócios com estrangeiras do setor de telecomunicações

Modo escuro

Continua após a publicidade
Huawei: empresa se tornou inimiga de Washington (Aly Song/File Photo/Reuters)

Huawei: empresa se tornou inimiga de Washington (Aly Song/File Photo/Reuters)

D
Da Redação, com AFP

Publicado em 20 de maio de 2019 às, 06h40.

O grupo americano Google, cujo sistema operacional Android está instalado na grande maioria dos smartphones do mundo, anunciou no domingo (19) que começou a suspender suas relações com o grupo chinês Huawei, uma das empresas consideradas "de risco" por Washington.

Em meio a tensões comerciais com Pequim, o presidente Donald Trump proibiu que os grupos americanos façam negócios com empresas estrangeiras do setor de telecomunicações consideradas perigosas para a segurança nacional, uma medida que tinha como alvo principal a Huawei, gigante chinesa e que se tornou inimiga de Washington.

O grupo aparece na lista de empresas suspeitas com as quais não se pode negociar sem a autorização das autoridades.

"Estamos cumprindo a ordem e revisando as implicações", afirmou um porta-voz do Google em um e-mail à AFP.

As implicações podem ser importantes, pois, como todos os grupos de tecnologia, o Google deve colaborar com os fabricantes de smartphones para que seus sistemas sejam compatíveis com os telefones.

A empresa terá que interromper as atividades que representam transferência de tecnologias que não são públicas ("open source"), o que obrigaria o fabricante chinês a usar apenas a versão "open source" do Android, explicou à AFP uma fonte próxima ao caso.

Desta maneira, a Huawei não poderá acessar mais os aplicativos e serviços que pertencem ao Google, como o Gmail, por exemplo.

Nesta segunda-feira (20), a Huawei afirmou que fez "contribuições substanciais" ao desenvolvimento do sistema operacional Android e que vai continuar oferecendo atualizações de segurança e serviços pós-venda a todos seus equipamentos, depois de saber que o Google deixará de vender componentes e software à empresa chinesa.

"A Huawei fez contribuições substanciais ao desenvolvimento e crescimento de Android. Como um dos seus parceiros-chave globais, trabalhamos estreitamente com sua plataforma de código aberto para desenvolver um ecossistema que beneficiou tanto os usuários como a indústria", informou a empresa chinesa em comunicado.

A companhia indicou que continuará fornecendo atualizações e serviços pós-venda a todos seus equipamentos, tanto "para os quais já foram vendidos como para os que estão ainda em estoque"

No primeiro trimestre, a Huawei vendeu 59,1 milhões de smartphones, o que representa 19% do mercado, mais do que a americana Apple, mas ainda continua atrás da líder do setor, a sul-coreana Samsung.

A Huawei é uma das empresas líderes do 5G, a nova geração da internet móvel que está em processo de desenvolvimento.

As duas maiores economias mundias travam uma guerra comercial, com a imposição mútua de tarifas, e a tecnologia é um eixo fundamental do confronto.

Últimas Notícias

Ver mais
Veja o que Mark Zuckerberg tem a dizer sobre as demissões nas big techs
Tecnologia

Veja o que Mark Zuckerberg tem a dizer sobre as demissões nas big techs

Há 16 horas

Depois do Facebook, vem aí Mark’s Meat, ‘frigorífico’ de Mark Zuckerberg
Tecnologia

Depois do Facebook, vem aí Mark’s Meat, ‘frigorífico’ de Mark Zuckerberg

Há 17 horas

Elon Musk muda sede da SpaceX em disputa contra Delaware
Tecnologia

Elon Musk muda sede da SpaceX em disputa contra Delaware

Há 2 dias

Vision Pro, grande aposta da Apple, tem onda de devoluções: "Decepcionante"
Tecnologia

Vision Pro, grande aposta da Apple, tem onda de devoluções: "Decepcionante"

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais