Tecnologia

Facebook convenceu presidente nigeriano a cancelar proibição

Lagos - O presidente nigeriano Goodluck Jonathan disse nesta terça-feira que as centenas de mensagens em seu perfil no Facebook ajudaram a convencê-lo a voltar atrás na suspensão da seleção nacional de futebol de competições internacionais. Na segunda-feira Jonathan rescindiu a suspensão de dois anos imposta após o desempenho vergonhoso da equipe na Copa do […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de julho de 2010 às 10h23.

Lagos - O presidente nigeriano Goodluck Jonathan disse nesta terça-feira que as centenas de mensagens em seu perfil no Facebook ajudaram a convencê-lo a voltar atrás na suspensão da seleção nacional de futebol de competições internacionais.

Na segunda-feira Jonathan rescindiu a suspensão de dois anos imposta após o desempenho vergonhoso da equipe na Copa do Mundo. As Super Águias foram eliminadas na primeira fase sem sequer obter uma vitória.

"Para Suleiman Musa, Nwanze Francis Uchenna e Ifade Udunayo Peter e as centenas de nigerianos que me enviaram seus apelos, eu ouvi as suas vozes e as de outros", disse Jonathan.

"Agora devemos trabalhar junto para assegurar que a federação nigeriana de futebol e nossos jogadores nos orgulhem em futuros eventos", escreveu ele no site de relacionamentos.

A presidência confirmou no fim do mês que Jonathan tinha criado um perfil no Facebook.

O líder do país mais populoso da África possui mais de 75 mil seguidores no Facebook e coloca sua visão política como "moderada".

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaCopa do MundoEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaEsportesFacebookFutebolInternetRedes sociais

Mais de Tecnologia

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Vídeos curtos passam a ser a principal fonte de informação dos jovens, alerta relatório

Mais na Exame