Tecnologia

Empresas vendem cliques no botão +1 do Google

Contrato prevê cliques de diferentes computadores para ajudar um site a se posicionar bem no serviço de buscas sem que o Google perceba a trapaça

Em pouco mais de duas semanas, o Google+ chegou a 10 milhões de usuários, número que o Facebook demorou quase dois anos para atingir (Reprodução)

Em pouco mais de duas semanas, o Google+ chegou a 10 milhões de usuários, número que o Facebook demorou quase dois anos para atingir (Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 28 de julho de 2011 às 17h31.

São Paulo -- Uma das funções principais do botão +1 do Google – além de competir diretamente com o Like do Facebook – é ajudar a melhorar a posição dos sites marcados no buscador. Ao clicar nele, o usuário está informando à companhia que aquele link traz informações relevantes, que devem aparecer com mais destaques nos resultados das pesquisas. Aproveitando-se do recurso, algumas empresas especializadas na otimização de sites estão oferecendo pacotes de cliques no botão +1, o que pode levar o Google a rever as regras do seu sistema.

De acordo com a publicação americana The Atlantic, a empresa Plussem, que faz parte do grupo SEOShop, criou três produtos distintos para atender seus consumidores. A primeira opção oferece 50 cliques por 20 dólares, enquanto que a segunda chega a 250 cliques por 70 dólares. Já os clientes realmente interessados no bom posicionamento de suas páginas podem investir 360 dólares para receber 2.000 cliques no período de um mês.

Tal prática é considerada ilegal pelo Google, mas a Plussem informou que não há como a companhia fiscalizar seus métodos. “Todos os cliques são feitos por pessoas reais, com contas no serviço. Além disso, não é possível rastrear a origem, uma vez que os acessos são feitos de locais diferentes”, aponta a empresa, que também promete que os cliques são feitos ao longo do mês. O Google ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Acompanhe tudo sobre:BuscaEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleInternetSEOSitesTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

CEO da OpenAI acompanha Bill Gates e promete doar a maior parte de sua fortuna

Samsung pode ter a primeira greve de sua história

Apple se recupera na China e vendas de iPhone crescem 52% em abril

Elon Musk quer criar o supercomputador mais poderoso do mundo

Mais na Exame