Tecnologia

Em 2015 haverá um dispositivo móvel por habitante no mundo

Relatório "Cisco Visual Networking Index" também projeta tráfego de dados 26 vezes maior que o de 2010 daqui a cinco anos

Segundo relatório, em cinco anos haverá aproximadamente 7,1 bilhões de tablets no mundo

Segundo relatório, em cinco anos haverá aproximadamente 7,1 bilhões de tablets no mundo

DR

Da Redação

Publicado em 2 de fevereiro de 2011 às 13h40.

Los Angeles - Um estudo realizado por Cisco Systems previu que em 2015 haverá aproximadamente um dispositivo móvel por habitante no mundo e o tráfego de dados será 26 vezes maior que o de 2010.

A última atualização do relatório "Cisco Visual Networking Index: Global Mobile Data Traffic Forecast" certificou a rápida expansão da tecnologia móvel em todo o planeta e ressaltou que o ritmo de crescimento continuará nos próximos anos.

Só em 2010, o tráfego de dados cresceu 159% em relação a 2009 até alcançar os 237 petabytes mensais, um número que é três vezes superior à transferência gerada por mês em 2000.

A velocidade das redes de telecomunicações dobrou no ano passado, assim como o número de usuários dos smartphones, que representam 13% dos dispositivos móveis no mercado, embora gerem 78% do tráfego de dados em telefonia.

Outro dado significativo de 2010 foi o crescimento do negócio dos tablets. Em cinco anos haverá aproximadamente 7,1 bilhões de dispositivos móveis conectados em rede e se prevê que em 2015 a população mundial seja de 7,2 bilhões de pessoas.

Segundo a Cisco, no final deste período haverá 138 milhões de pessoas que não terão eletricidade em seus lares, mas disporão de um serviço móvel, principalmente em áreas como África Subsaariana, Oriente Médio e sul e sudeste da Ásia.

Acompanhe tudo sobre:[]

Mais de Tecnologia

Vício em TikTok? O que é 'brainrot' e por que o termo está tão em alta

Mais 168 cidades podem ter internet 5G a partir de sexta-feira; veja a lista

Carros autônomos: os robotáxis começam a virar realidade para a Waymo, do Google

Empresa chinesa avança em tecnologia quântica com novo termômetro de óxido de rutênio

Mais na Exame