Downloads do Signal sobem 4.200% após novos termos do WhatsApp

Após mudanças nas leis de privacidade do WhatsApp e tuíte de Musk, aplicativo pequeno se torna referência

Usado por figuras como Jack Dorsey, Elon Musk e Edward Snowden, o aplicativo de mensagens Signal é o favorito daqueles que priorizam manter seus dados intactos.

Um tuíte recente do CEO da Tesla fez o Signal sair da bolha de poucos usuários. Entre os dias 6 e 10 de janeiro, o aplicativo foi o mais baixado da App Store e da Google Play, com 7,5 milhões de downloads globais. Isso representa um crescimento de 4.200% em relação à semana anterior. As informações são da Sensor Tower para o site  Business Insider.

O Signal é uma organização sem fins lucrativos e tem como prioridade a privacidade do usuário. Nenhum dado é coletado quando o usuário cria sua conta, o que o tornou uma opção interessante para ativistas de direitos humanos, jornalistas e até os protestantes anti-governo de Hong Kong.

O aplicativo Telegram também teve uma onda de novos usuários. 9 milhões de instalações foram realizadas durante o mesmo período, um crescimento de 91% em relação à semana anterior.

O motivo para tantos usuários estarem considerando outras opções além do WhatsApp foi devido ao anúncio da plataforma de que agora os dados dos usuários seriam obrigatoriamente compartilhados com o Facebook e suas subsidiárias.

No último domingo (10), de acordo com informações da Apptopia, o WhatsApp teve uma queda de 7% em suas instalações diárias. Ele ainda foi baixado por 1,2 milhão de novos usuários.

Em um comunicado publicado na segunda-feira (11), a empresa afirmou: "Queremos abordar alguns rumores e ser 100% claros de que continuamos a proteger suas mensagens privadas com criptografia de ponta a ponta".

O WhatsApp afirma que a atualização não afeta a criptografia de ponta a ponta que mantém a privacidade de suas mensagens. Porém, dados como número de telefone, dados de transações, endereço IP, dados de dispositivo, dados sobre as interações com outros contatos (pessoas ou empresas), entre outros, serão compartilhados.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também