Tecnologia

Digitalização de documentos reduz fraudes em processos de liberação de crédito

Armazenamento digital ainda diminui custos com impressão e arquivamento e reduz o tempo de envio de documentos para análise

Loja de varejo usa sistema de digitalização de documentos: redução de fraudes de até 95% (.)

Loja de varejo usa sistema de digitalização de documentos: redução de fraudes de até 95% (.)

DR

Da Redação

Publicado em 27 de abril de 2010 às 17h11.

São Paulo - O processo de liberação de crédito é uma operação de risco tanto para instituições financeiras quanto para empresas que trabalham com cartões private label (os chamados "cartões de loja"). Para minimizar as chances de fraude em cadastros de clientes, a digitalização de documentos pode ser uma boa solução. O tema está sendo abordado no Cards 2010, evento voltado ao mercado de cartões eletrônicos, que ocorre em São Paulo até a quarta-feira (28).

Ao invés de receber fotocópias de RG, CPF e comprovante de residência, da forma tradicional, as empresas que trabalham com cartões podem solicitar os documentos originais, para que seja feita uma digitalização em cores e em alta resolução. O processo traz uma série de vantagens. Além de aumentar a segurança, por permitir uma melhor identificação da autenticidade dos documentos; possibilita o armazenamento digital, o que diminui custos com impressão e arquivo; e reduz o tempo de envio para análise da administradora do cartão, já que não exige entrega física da papelada.

"Tudo isso, por fim, agiliza a concessão de crédito ao cliente", explica Alex Yamamoto, consultor do segmento financeiro da Acesso Digital. Há cerca de dois anos, a empresa lançou uma solução voltada ao mercado de crédito que contempla software e equipamentos para a digitalização de documentos. O Safe-Doc, como é chamado o pacote de serviços, oferece treinamento de funcionários e armazenamento de arquivos em um datacenter, o que traz outra vantagem: permite o acesso aos documentos de clientes cadastrados de qualquer computador com acesso à internet.

Uma situação comum que ocorre principalmente em redes de varejo é a do cliente que solicita o cartão, faz a compra e depois registra um boletim de ocorrência alegando que teve os documentos roubados e que não foi o responsável pelo cadastro para o crédito. "Para acabar com esse problema, as lojas podem instalar uma simples webcam, que registra a imagem do cliente na hora que ele pede o cartão", diz Diego Torres Martins, presidente da Acesso Digital. Além de impedir esse tipo de alegação, a presença da webcam inibe a ação de fraudadores de documentos, que evitam ter a imagem exposta.

Mais de 400 empresas utilizam o sistema de digitalização de documentos Safe-Doc. A migração do sistema de cadastro físico para o digital reduziu em até 95% o número de fraudes, segundo as empresas ouvidas pela Acesso Digital. "Não chega a 100% porque ainda há um pequeno número de pessoas que falsificam documentos ou utilizam documentos de terceiros e não se incomodam em ter a imagem gravada pela webcam", conta Yamamoto.

Em custos com impressão e arquivo, a economia chega a 80%. O processo não elimina completamente os custos com logística, já que alguns documentos, como os que têm assinaturas, ainda precisam ser conferidos fisicamente pela administradora do cartão. "Mas ao invés de ir diariamente para entregar cadastros, as lojas podem fazer semanalmente, já que toda a documentação já foi entregue", explica o consultor.

Acompanhe tudo sobre:FraudesInternetseguranca-digitalServiços onlineTendências

Mais de Tecnologia

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Mais na Exame