Tecnologia
Acompanhe:

Conheça a tecnologia do KC-390, o mais novo avião da Embraer

Anunciado nesta semana, o KC-390, da Embraer, quer aposentar o cargueiro militar C-130 Hercules, da Lockheed Martin. Sua velocidade máxima é de 850 km/h


	KC-390: o cargueiro militar será capaz de atingir 850 km/h em cruzeiro
 (Divulgação/Embraer)

KC-390: o cargueiro militar será capaz de atingir 850 km/h em cruzeiro (Divulgação/Embraer)

V
Victor Caputo

23 de outubro de 2014, 15h06

São Paulo – Nesta semana, a Embraer exibiu o protótipo do seu avião KC-390. Ele é a maior aeronave fabricada aqui no Brasil. Na apresentação oficial, o Ministro da Defesa, Celso Amorim, afirmou que ele poderá servir como substituto para o modelo Hercules. O Hercules é um dos aviões militares de carga mais utilizados no mundo e é fabricado pela empresa americana Lockheed Martin.

O KC-390 é um avião de carga desenvolvido com alta tecnologia. Ele usa turbinas Turbofan, que garantem uma maior velocidade de cruzeiro. Em comparação, o C130-Hercules usa sistema turbohélices. A velocidade máxima do Hercules é de 621 km/h. Já o KC-390 deverá alcançar 850 km/h.

O KC-390 é um gigante. Ele tem 35 metros de comprimento e 35 metros de envergadura. Sua altura será de 12,5 metros. Ele poderá carregar até 23 toneladas de carga.

Ele foi desenvolvido pela Embraer em parceria com a Força Aérea Brasileira (FAB). A empresa o desenhou a partir das necessidades da FAB e participou de missões para analisar o fluxo de trabalho.

A tecnologia do KC-390 faz com que ele seja versátil. Ele poderá ser usado nas missões brasileiras na Antártida e em regiões tropicais. Ele deverá também ser usado no combate a incêndios florestais.

O KC-390 terá sistema duplo HUD (Heads-up Display), que projeta informações à frente dos pilotos. Uma câmera na cabine combinará a visão do piloto com as informações do sistema HUD para revisão de missões. Terá, ainda, tecnologia militar de autoproteção contra misseis.

O avião será usado em missões de reabastecimento de aeronaves em voo, transporte de veículos, ajuda humanitária, lançamento de paraquedistas, lançamento de carga e como UTI móvel.

Portugal, Chile, Argentina, Colômbia, República Checa e Suécia já mostraram intenção de comprar a aeronave da Embraer.