Tecnologia

Com curso gratuito, Soul Code Academy é nova escola de programação brasileira

Novo bootcamp funciona em parceria com empresas e quer trabalhar empregabilidade desde o primeiro dia. Inscrições da primeira turma estão abertas.

Desenvolvedor: Soul Code Academy trabalha em parceria com empresas desde o início do aprendizado (SeongJoon Cho/Bloomberg/Getty Images)

Desenvolvedor: Soul Code Academy trabalha em parceria com empresas desde o início do aprendizado (SeongJoon Cho/Bloomberg/Getty Images)

TL

Thiago Lavado

Publicado em 18 de dezembro de 2020 às 13h49.

O crescimento de startups no Brasil e a digitalização das empresas escancararam a falta de profissionais com conhecimento tecnológico para atuar no setor. O problema não é novo: até 2024 a área vai requerer uma demanda média de 70.000 profissionais por ano, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom).

Pensando nesse cenário, e na necessidade de trazer maior inclusão e impacto social ao setor, foi concebida a Soul Code Academy, nova escola de programação que chega ao mercado para formar e capacitar desenvolvedores web full stack com cursos gratuitos e digitais. 

Como parte do modelo de negócio da empresa, há ainda a oferta de cursos de programação para empresas, que podem formar turmas entre funcionários para gerar especializações conforme a necessidade digital e de transformação tecnológica.

“O curso é 100% gratuito, todo o financiamento é feito por parceiros que contratam os alunos. Essas empresas acompanham o processo de seleção, o treinamento, apresentam a companhia, e fazem ofertas aos alunos. Como existe uma demanda muito alta de profissionais é uma forma de trazer o profissional já dentro da cultura e com prioridade de acesso. As empresas acompanham desde o início, auxiliam nos projetos finais e vão criando relacionamento com o aluno antes de ele virar funcionário”, explica Fabricio Cardoso, que é diretor-geral da Soul Code Academy e especialista em tecnologia, com passagens em cargos de liderança em grandes empresas de tecnologia, como IBM, Microsoft, Oracle, EY e Kenshool.

De acordo com Cardoso, o objetivo final é aprofundar a entrada do brasileiro na economia digital, como programadores de negócios nascentes e que estão se consolidando no país.

Com bastante demanda, o mercado de ensino e capacitação na área de tecnologia está aquecido. Em 2020 houve a fusão das startups Shawee e RocketSeat, além da compra da Codenation pela escola de programação Trybe, para construir um modelo que também une formação com conexões ao mercado de trabalho. Empresas internacionais, como Iron Hack e 42, também estão atuando no Brasil.

“O grande diferencial da Soul Code está na nossa área de conexão entre o mercado de trabalho e os nossos alunos. Trabalhamos a empregabilidade desde o processo de seleção e durante as 16 semanas do curso. O foco não é só treinar, mas garantir o emprego junto dos nossos parceiros”, diz Cardoso, que afirma ter visitado e conhecido o funcionamento de concorrentes para elaborar uma metodologia que considera características educacionais, culturais e sociais do Brasil.

A diretoria acadêmica do projeto fica com Juana Pinkalsky, que tem mais de 20 anos de experiência com tecnologia e educação e foi responsável pelo programa Oracle Academy no Brasil. Entre os investidores está Silvio Genesini, que também é conselheiro da Soul Code Academy.

As inscrições da primeira turma já estão abertas. As aulas do primeiro grupo de alunos começam no dia 26 de janeiro, e os interessados em participar precisam passar por um prova de lógica, entrevistas e workshops com especialistas. O curso tem 700 horas de duração, distribuídas por 16 semanas, com aulas online entre as 9h e 17h.

Acompanhe tudo sobre:EscolasPequenas empresasProgramadores

Mais de Tecnologia

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Plano do Instagram para engajar usuários pode dar certo?

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Mais na Exame