Tecnologia

Apps para iPhone e Android são inseguros

Aplicações de muitas empresas como LinkedIn, Foursquare, Netflix e Wordpress, ganharam menções por armazenar dados sensíveis sem muita segurança

Um estudo da consultoria In-Stat apontou que os usuários irão baixar 48 bilhões de apps móveis nos smartphones até 2015 (iPhone DevTeam)

Um estudo da consultoria In-Stat apontou que os usuários irão baixar 48 bilhões de apps móveis nos smartphones até 2015 (iPhone DevTeam)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de junho de 2011 às 20h38.

São Paulo – Um estudo identificou que os aplicativos mais populares para iPhone e Android sofrem de sérios problemas de segurança.

O relatório appWatchdog, realizado pela empresa de segurança ViaForensics, aponta que aplicações de muitas empresas como LinkedIn, Foursquare, Netflix e WordPress, ganharam menções por armazenar dados sensíveis sem muita segurança.

Mas dependendo da plataforma, o aplicativo pode variar. Por exemplo, o app da Netflix para Android falhou nos testes de segurança no armazenamento de senhas. Porém, o mesmo programa para iPhone não apresentou brechas.

Mas o estudo divulgado pela ViaForensics é mais para alertar os desenvolvedores e os usuários conforme uma aplicação se torna popular e consequentemente mais visada pelos crackers. Todas as empresas citadas informaram estar ciente dos problemas e que irão promover atualizações e correções ao longo dos dias.

Um estudo da consultoria In-Stat apontou que os usuários irão baixar 48 bilhões de apps móveis nos smartphones até 2015. A Apple recentemente informou que desde 2008 já foram baixados mais de 14 bilhões de aplicativos da App Store, enquanto aparelhos com Android já teriam feito download de 4,5 bilhões de apps.

Acompanhe tudo sobre:AndroidAppsCelularesGoogleIndústria eletroeletrônicaiPhoneSmartphones

Mais de Tecnologia

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

O que esperar do balanço da Nvidia, a mais nova queridinha de Wall Street

Quatro operadoras da China se unem para oferecer roaming 5G entre redes

Colher elétrica promete 'temperar' alimento sem utilizar mais sal

Mais na Exame