Tecnologia

Apple vai reduzir taxa cobrada para desenvolvedores de apps para iPhone

Comissão de 30% em cima da receita dos aplicativos vai cair pela metade, mas apenas para um determinado grupo de profissionais

App Store: loja virtual da Apple vai passar por mudanças que vão beneficiar desenvolvedores pequenos (Getty Images/Getty Images)

App Store: loja virtual da Apple vai passar por mudanças que vão beneficiar desenvolvedores pequenos (Getty Images/Getty Images)

RL

Rodrigo Loureiro

Publicado em 18 de novembro de 2020 às 11h52.

Após uma série de polêmicas que envolveu até mesmo uma troca de farpas com o Facebook, a Apple decidiu diminuir para 15% a comissão cobrada de desenvolvedores de aplicativos que hospedam seus programas na App Store, a loja de aplicativos do iPhone e de outros aparelhos da maçã. Mas a medida não vale para todos, apenas para quem ainda está começando no ramo.

A ideia da Apple é beneficiar apenas desenvolvedores que faturam menos de 1 milhão de dólares por ano com as vendas na plataforma após a dedução do valor cobrado pela companhia de Cupertino. O restante dos desenvolvedores continuará a ter que ceder 30% de suas receitas obtidas dentro da App Store para a Apple.

A medida faz parte do que a Apple chama de App Store Small Business Program. Anunciado nesta quarta-feira (18) ainda sem muitos detalhes, o programa de benefícios passa a vigorar no início do ano que vem e usuários com faturamento líquido abaixo do limite em 2020 estarão qualificados, assim como novos desenvolvedores.

Este tipo de cobrança não é exclusivo para a venda ou a assinatura dos aplicativos, mas também para compras realizadas dentro destes.  Por exemplo: a Apple não ganha uma comissão por cada corrida paga pelo usuário no Uber, mas recebe 30% do valor pago por um usuário na compra de um item dentro de um jogo virtual como Fortnite.

A Apple informa que caso algum desenvolvedor ultrapasse o faturamento líquido de 1 milhão de dólares durante o ano, haverá a cobrança da comissão de 30% em cima do valor e não mais de apenas 15%. Se no ano seguinte o valor cair novamente abaixo de 1 milhão de dólares, a empresa entrará novamente na faixa de desconto, tendo que ceder somente 15% dos lucros.

Polêmicas recentes

A Apple vem sendo bastante pressionada por conta da taxa de comissão cobrada na App Store. Além da rusga com o Facebook, a companhia também viu a prática ser citada em um potente relatório antitruste produzido por autoridades americanas e que acusa as gigantes da tecnologia como as responsáveis pelo enfraquecimento da competição comercial nos Estados Unidos.

Vale destacar que a Apple não é a única que realiza este tipo de cobrança. A Play Store também cobra uma comissão de 30% da receita obtida pelos aplicativos disponibilizados dentro da principal plataforma de downloads do Android. Recentemente, o Google modificou algumas regras da Play Store para evitar brechas no repasse destas comissões.

Uma estimativa da empresa Sensor Tower aponta que apenas 1% de todos os aplicativos desenvolvidos e disponibilizados nas duas lojas virtuais é responsável por uma fatia de 93% das receitas obtidas na Play Store e na App Store. Segundo a Apple, mais de 1,8 milhão de programas estão disponíveis em sua loja virtual.

Acompanhe tudo sobre:AppleAppsApps para iPhoneGoogleiPhone

Mais de Tecnologia

Elon Musk confirma terceiro filho com funcionária da Neuralink Shivon Zilis

Na era do vício digital, a abstinência e a liberdade de 24 horas sem WhatsApp

Agora todos poderão ver o que você comenta em um story do Instagram; saiba como

Boeing Starliner tem retorno à Terra adiado pela segunda vez

Mais na Exame