Google muda regras e tenta acabar com folga dos aplicativos na Play Store

Empresa quer intensificar o rigor de suas políticas para que todos os apps paguem a taxa de 30% das transações realizadas por suas plataformas

O Google não quer mais perder parte de sua receita obtida com a loja de aplicativos Play Store e vai adotar uma postura semelhante à utilizada pela Apple. A companhia vai mudar as regras para cobrar a fatia de 30% da receita de todos os pagamentos realizados pela compra e dentro dos aplicativos disponibilizados por sua loja de aplicativos para Android.

Em um texto publicado no blog oficial da companhia, a empresa informa que  os desenvolvedores que integram o sistema de faturamento do Google até 30 de setembro não precisarão repartir a receita obtida com seus aplicativos com a companhia até o fim do ano. Ou seja, ficarão temporariamente livres da cobrança do “pedágio” de 30%.

Essa taxa de 30% já existia, porém era evitada por algumas empresas que desenvolvem aplicativos para Android e fazem a cobrança por seus serviços em sistemas alternativos. Assim, a cobrança não passa pelos sistemas do Google. Entre as empresas que usufruem ou já usufruíram desta prática estão gigantes como Tinder, Spotify e Netflix.

A expectativa é que as mudanças sejam aplicadas com o lançamento do Android 12, no ano que vem.

A nova versão do sistema operacional também fará um contraponto nesta decisão do Google de operar a Play Store com critérios mais rigorosos. O update vai facilitar a instalação de outras lojas de aplicativos nos smartphones, como a Galaxy App Store, da Samsung. A medida visa trazer mais concorrência ao mercado de lojas virtuais, algo positivo para o consumidor.

A decisão do Google vem em um momento delicado para o mercado de aplicativos. Nos últimos meses, diversas companhias criticaram as políticas de retenção de receitas da App Store. Até mesmo o Facebook também criticou a Apple por cobrar 30% do faturamento de pequenos empreendedores durante a pandemia do novo coronavírus.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.