• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Google muda regras e tenta acabar com folga dos aplicativos na Play Store

Empresa quer intensificar o rigor de suas políticas para que todos os apps paguem a taxa de 30% das transações realizadas por suas plataformas
Play Store: loja de aplicativos do Google vai adotar novas medidas de faturamento (Divulgação/Google)
Play Store: loja de aplicativos do Google vai adotar novas medidas de faturamento (Divulgação/Google)
Por Rodrigo LoureiroPublicado em 29/09/2020 15:15 | Última atualização em 07/10/2020 15:44Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O Google não quer mais perder parte de sua receita obtida com a loja de aplicativos Play Store e vai adotar uma postura semelhante à utilizada pela Apple. A companhia vai mudar as regras para cobrar a fatia de 30% da receita de todos os pagamentos realizados pela compra e dentro dos aplicativos disponibilizados por sua loja de aplicativos para Android.

Em um texto publicado no blog oficial da companhia, a empresa informa que  os desenvolvedores que integram o sistema de faturamento do Google até 30 de setembro não precisarão repartir a receita obtida com seus aplicativos com a companhia até o fim do ano. Ou seja, ficarão temporariamente livres da cobrança do “pedágio” de 30%.

Essa taxa de 30% já existia, porém era evitada por algumas empresas que desenvolvem aplicativos para Android e fazem a cobrança por seus serviços em sistemas alternativos. Assim, a cobrança não passa pelos sistemas do Google. Entre as empresas que usufruem ou já usufruíram desta prática estão gigantes como Tinder, Spotify e Netflix.

A expectativa é que as mudanças sejam aplicadas com o lançamento do Android 12, no ano que vem.

A nova versão do sistema operacional também fará um contraponto nesta decisão do Google de operar a Play Store com critérios mais rigorosos. O update vai facilitar a instalação de outras lojas de aplicativos nos smartphones, como a Galaxy App Store, da Samsung. A medida visa trazer mais concorrência ao mercado de lojas virtuais, algo positivo para o consumidor.

A decisão do Google vem em um momento delicado para o mercado de aplicativos. Nos últimos meses, diversas companhias criticaram as políticas de retenção de receitas da App Store. Até mesmo o Facebook também criticou a Apple por cobrar 30% do faturamento de pequenos empreendedores durante a pandemia do novo coronavírus.