Apple surpreende e fatura US$ 64 bilhões, mais que o esperado no 3° trim.

Setor de serviços, uma das promessas da Apple, registrou melhor trimestre, com faturamento de 14,5 bilhões de dólares

A Apple divulgou nesta quinta-feira, 29, os resultados do terceiro trimestre de 2020, o último do ano fiscal da empresa. Mesmo com o atraso no lançamento dos novos iPhone 12, o principal produto da companhia e que não teve vendas no três meses encerrados em setembro, o resultado ficou acima do mesmo período do ano passado e do que era esperado por analistas.

O faturamento no terceiro trimestre foi de 64,7 bilhões de dólares, a empresa divulgou lucro de 12,6 bilhões de dólares (0,73 centavo de dólar por ação). As ações da empresa reduziram a alta que acumularam durante o dia nas negociações pós-mercado e subiam 3,71% até o fechamento deste texto. Os papéis da empresa acumulam alta de mais de 55% em 2020.

O lucro da empresa teve um freio em relação a 2019, quando foi de 13,6 bilhões de dólares, mas, ainda assim, veio acima do que era esperado por analistas de Wall Street.

De acordo com a Apple, o faturamento foi o recorde para o trimestre encerrado em setembro. O atraso no lançamento do iPhone 12 impactou as vendas de smartphones, mas o resultado foi compensado pelo segmento de serviços e pelo segmento de laptops — ambos atingiram recorde de faturamento. As vendas internacionais, fora dos Estados Unidos, foram responsáveis por 59% do faturamento total da empresa para o período.

O segmento de serviços, que inclui as vendas da Apple TV+, serviços em nuvem e loja de aplicativos teve alta de 16,2% ante 2019 e receita total de 14,5 bilhões de dólares. Em todo o ano fiscal, a divisão acumula faturamento de 53,7 bilhões de dólares e já é responsável por 22% da receita da Apple.

Investidores seguem animados com as perspectivas das ações da Apple. Isso porque o lançamento do novo iPhone 12 pode sinalizar um período de grandes vendas para a empresa, com usuários prontos para fazer a troca de smartphone.

De acordo com dados da consultoria Wedbush Securities, obtidos pelo portal Business Insider, há cerca de 350 milhões de iPhones prontos para ser trocados por modelos novos. O dado pode indicar um dos maiores superciclos de venda do iPhone dos últimos anos. O último pico do smartphone foi há três anos, quando a empresa vendeu 77 milhões de unidades do aparelho no quarto trimestre de 2017.

Analistas estimam que 30% dos iPhones em circulação têm três anos ou mais de uso. Geralmente, este é o momento em que uma troca por um modelo mais novo acontece.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.