Tecnologia

Amazon quer que todos os supermercados não tenham caixas ou filas

Companhia de Jeff Bezos passa a vender sua tecnologia de supermercados sem caixas para terceiros

Amazon Go: lojas da varejista americana funcionam sem caixas e filas (Smith Collection/Gado / Colaborador/Getty Images)

Amazon Go: lojas da varejista americana funcionam sem caixas e filas (Smith Collection/Gado / Colaborador/Getty Images)

RL

Rodrigo Loureiro

Publicado em 10 de março de 2020 às 05h55.

Última atualização em 10 de março de 2020 às 05h55.

São Paulo – Criar, testar, usar e vender. Esse foi o caminho encontrado pela Amazon para conseguir popularizar o seu modelo de lojas sem caixas. A gigante americana comandada por Jeff Bezos vai comercializar para terceiros a tecnologia embarcada nas lojas Amazon Go e que permite realizar compras sem precisar passar por caixas físicos.

Lançado ainda em 2017 e colocado em prática no começo do ano seguinte, o sistema chamado de Just Walk Out é composto por câmeras e sensores dotados com inteligência artificial e usados para identificar a movimentação dos clientes.

O funcionamento é simples. Primeiro basta destravar uma catraca com o aplicativo da companhia no celular para entrar na loja. Depois, ao pegar um item das prateleiras, ele é automaticamente inserido em um carrinho de compras virtual. Basta, então, sair da loja para realizar o pagamento. Se desistir de alguma compra é só devolver a mercadoria para a prateleira.

Atualmente a tecnologia permite que os usuários comprem também itens perecíveis, como frutas, frios e carnes. Tudo é computado diretamente no aplicativo e cobrado por unidade ou em pacotes fechados. O aprimoramento se deu para que o serviço fosse ampliado para atender também um supermercado próprio da empresa, e não somente lojas de conveniência.

Ao que foi reportado pela Reuters, a tecnologia terceirizada não será exatamente igual a utilizada pela Amazon. Não será necessário, por exemplo, utilizar o aplicativo da varejista americana para adentrar às lojas. Bastará desbloquear utilizando um cartão de crédito comum.

A estratégia de comercializar serviços inicialmente utilizados em casa não é nova. O Amazon Web Services, plataforma de nuvem da companhia, foi desenvolvida inicialmente para digitalizar processos internos. Hoje é o principal serviço de nuvem do mercado e gerou quase 10 bilhões de dólares para a empresa de Bezos no quarto trimestre de 2019, 11% da receita total de 87,4 bilhões no período.

A mesma coisa aconteceu com o Arc Publishing, o sistema de publicação utilizado no The Washington Post e que passou a ser adotado por outros veículos ao redor do mundo. Em fevereiro, o jornal The ChosunIlbo, da Coreia do Sul, passou a utilizar a plataforma.

Acompanhe tudo sobre:Amazonjeff-bezosSupermercados

Mais de Tecnologia

Alexa, da Amazon, pode subir preço em versão mais inteligente para competir com ChatGPT

CEO da Nvidia ganha US$ 7,6 bilhões em um só dia

Muito tempo no celular? Veja dicas para diminuir seu tempo de tela

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

Mais na Exame