A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

5 coisas que o big data faz pela sua saúde

Análise de dados vem sendo usada para tratar pacientes e buscar a cura de doenças

Nos últimos anos, hospitais, laboratórios e centros de pesquisa vêm se beneficiando do big data (tecnologia usada para captar e cruzar dados) com o intuito de monitorar, em tempo real, a saúde dos pacientes e de cruzar informações sobre tratamentos que são usados em outros países.

De acordo com a consultoria IDC, o uso do big data deve, ainda, reduzir os custos de clínicas e hospitais e viabilizar avanços na área de pesquisa de doenças complexas, como aids e diferentes tipos de câncer. Conheça, a seguir, cinco aplicações do big data na área de saúde:

1. Vacina contra o HIV
No Brasil, a unidade de imunologia do Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, usa algoritmos disponíveis em bancos de dados públicos de todo o mundo para analisar padrões de mutação do vírus HIV. Esse recurso permite que os pesquisadores estudem as variações do vírus, o que é fundamental para que possam desenvolver uma vacina capaz de responder a essas mutações. “O uso do big data pode acelerar a descoberta para a cura da doença”, diz o médico Edécio Cunha, pesquisador do Incor

2. Avanços no tratamento do câncer
Enquanto os tipos de câncer mais comuns, como mama e próstata, já contam com protocolos de tratamento bem conhecidos, tipos menos comuns, como os cânceres que afetam crianças, ainda são um desafio para a medicina. A Universidade de Boston, nos Estados Unidos, usa bancos de dados espalhados pelo mundo para pesquisar e cruzar casos similares de doenças. Com isso, consegue orientar os médicos a prescrever drogas e terapias mais eficientes para cada tipo de tumor. Na prática, é como poder pesquisar, em tempo real, experiências bem-sucedidas executadas em todo o mundo para cada tipo de câncer

3. Sistemas antiepidemia
O cruzamento de dados de internações e diagnósticos de doenças registradas em hospitais de todo o mundo pode auxiliar os especialistas a detectar, logo no início, o surgimento de uma nova epidemia. Essa agilidade trazida pelo big data ajuda as autoridades sanitárias a identificar áreas onde há surtos de doenças tropicais ou infecciosas antes que elas se alastrem

4. Prevenção em tempo real
O uso de gadgets vestíveis, aqueles que monitoram a pressão arterial, o nível de glicose, a qualidade do sono e os batimentos cardíacos, por exemplo, já permite que pacientes de várias partes do mundo obtenham diagnósticos precoces de doenças como diabetes e arritmia cardíaca, agilizando o início do tratamento

5. Exames na nuvem
Uma das possibilidades do uso big data é a criação de bancos privados onde ficaria reunido o histórico médico e clínico dos pacientes. Uma vez analisados por algoritmos específicos, esses dados ajudariam o médico a acompanhar a saúde do paciente e prescrever, de forma mais detalhada e automática, a guia de exames necessários
 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também