Revista Exame

Chip em humanos? Entenda a tecnologia que pode ser implantada em você

Ao que tudo indica, chegou finalmente o momento de a pele humana virar uma plataforma para os computadores

Ainda que a ideia de ter um chip implantado no corpo pareça estranha, trata-se de uma tendência (Christopher Furlong/Getty Images)

Ainda que a ideia de ter um chip implantado no corpo pareça estranha, trata-se de uma tendência (Christopher Furlong/Getty Images)

Chips que podem ser implantados na pele não são bem uma inovação. Afinal, ouve-se falar deles há mais de 20 anos. Mas é chegado o momento em que eles começam a fazer mais sentido no dia a dia, agora que funcionam com gadgets como smartphones.

Com tamanho próximo de um grão de arroz, e ao custo de pouco mais de 1.000 reais para ser implantado, o chip tem funcionamento baseado em identificação por radiofrequência (RFID), similar ao de cartões de débito e crédito físicos por aproximação.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

Munida de um aplicativo que registra os comandos no dispositivo, a pessoa chipada pode salvar arquivos pessoais e informações de contato, usá-lo como chave para portas e catracas e até realizar transações financeiras, por ora em criptomoedas.

Ainda que a ideia de ter um chip implantado no corpo pareça estranha, trata-se de uma tendência. Uma pesquisa recente com mais de 4.000 pessoas no Reino Unido e na União Europeia descobriu que 51% dos entrevistados consideram ter um chip implantado, mostrando que há futuro para a tecnologia que vai sob a pele.

LEIA TAMBÉM: 

Acompanhe tudo sobre:ChipsTecnologia da informação

Mais de Revista Exame

Dress watches: IWC apresenta três modelos do Portugieser

Swarovski apresenta coleção baseada nos mistérios subaquáticos

Aplicações na adega: o vinho como investimento financeiro

A luta e o recomeço

Mais na Exame