• AALR3 R$ 20,14 -0.15
  • AAPL34 R$ 68,69 1.97
  • ABCB4 R$ 16,73 1.27
  • ABEV3 R$ 14,09 0.36
  • AERI3 R$ 3,70 3.64
  • AESB3 R$ 10,89 0.46
  • AGRO3 R$ 31,50 1.03
  • ALPA4 R$ 21,98 3.24
  • ALSO3 R$ 19,05 0.26
  • ALUP11 R$ 26,72 -1.29
  • AMAR3 R$ 2,61 2.76
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,88 -0.05
  • AMZO34 R$ 3,44 5.39
  • ANIM3 R$ 5,60 2.38
  • ARZZ3 R$ 81,43 2.48
  • ASAI3 R$ 15,96 1.53
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,28 3.11
  • BBAS3 R$ 37,47 -0.27
  • AALR3 R$ 20,14 -0.15
  • AAPL34 R$ 68,69 1.97
  • ABCB4 R$ 16,73 1.27
  • ABEV3 R$ 14,09 0.36
  • AERI3 R$ 3,70 3.64
  • AESB3 R$ 10,89 0.46
  • AGRO3 R$ 31,50 1.03
  • ALPA4 R$ 21,98 3.24
  • ALSO3 R$ 19,05 0.26
  • ALUP11 R$ 26,72 -1.29
  • AMAR3 R$ 2,61 2.76
  • AMBP3 R$ 32,48 4.47
  • AMER3 R$ 21,88 -0.05
  • AMZO34 R$ 3,44 5.39
  • ANIM3 R$ 5,60 2.38
  • ARZZ3 R$ 81,43 2.48
  • ASAI3 R$ 15,96 1.53
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,28 3.11
  • BBAS3 R$ 37,47 -0.27
Abra sua conta no BTG

Um terço dos negócios no Brasil fecha em dois anos

Indicador divulgado a cada dois anos mostra que a crise econômica afetou especialmente as pequenas empresas
Pequenas empresas: proporção dos negócios que fecharam subiu de 23% para 33% com a recessão (.)
Pequenas empresas: proporção dos negócios que fecharam subiu de 23% para 33% com a recessão (.)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 15/12/2016 11:08 | Última atualização em 15/12/2016 11:08Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - Considerado o principal termômetro de desempenho dos pequenos negócios no Brasil, a taxa de mortalidade de empresas, divulgada a cada dois anos pelo Sebrae e pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu durante a atual recessão econômica.

Segundo o estudo - que será apresentado nesta quinta-feira, 15, em evento que comemora os 10 anos da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa no Rio de Janeiro -, dos 1,8 milhão de empreendimentos lançados em 2014, 600 mil (ou 33% deles) estarão fechados até o final de 2016.

Na pesquisa anterior, que considerava as 1,6 milhão de empresas abertas em 2012, 23% chegaram inativas ao fim de 2014.

A razões para a quebradeira, de acordo com o estudo, envolvem o freio no consumo, associado ao aumento do peso dos impostos e à escassez de crédito para capital de giro.

A pesquisa é obtida a partir do processamento de dados da Receita Federal e de entrevistas com cerca de 2 mil empresas constituídas entre 2008 e 2014.

Serviços

O setor mais atingido pela recessão foi o de serviços, responsável por 25% dos fechamentos. Por porte, 45% das baixas foram entre as microempresas (que faturam até R$ 360 mil ao ano). Na outra ponta, apenas 3% dos fechamentos ocorreram entre as grandes empresas, que segundo classificação do Sebrae faturam acima de R$ 300 milhões por ano.

Na opinião dos especialistas, a associação entre a forte crise econômica e a falta de caixa do empreendedor foram fatais.

"O empresário tradicionalmente trabalha com perspectivas de curto prazo. Ele já começa um negócio devendo dinheiro e apostando em um retorno de investimento de três a seis anos no máximo. Com uma recessão como essa, o retorno do dinheiro vai para perto de dez anos e a empresa não aguenta", diz Amauri Liba, professor de contabilidade e planejamento tributário da Fecap.

A tese do especialista se encaixa no exemplo de Ricardo Lee, que, há dois anos, montou uma empresa de locação de impressoras e venda de cartuchos reciclados para o mercado corporativo.

"A empresa ia bem, mas veio a crise e o cliente sumiu. Paralelamente, os cartuchos chineses chegaram em melhor qualidade e nosso negócio ficou inviável", conta Lee, que hoje dirige um Uber em São Paulo.

"Fiquei totalmente sem caixa para pagar as despesas de fornecimento e os impostos. Estou devendo mais de R$ 60 mil. Minha meta é continuar com o Uber para pagar as despesas e ver o que acontece no futuro", destaca.

Lucro baixo

Quando perguntados sobre os fatores que teriam evitado o fim do negócio, os empresários entrevistados apontam, respectivamente, uma redução de encargos e impostos, um número maior de clientes e mais crédito na praça. Para o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, essas são respostas esperadas.

"Com crise ou sem crise, esses são problemas recorrentes do empresário. O banco não existe, o empreendedor não consegue crédito e, no meio da crise, as opções para sobreviver são pequenas", diz ele, que também ressalta o peso dos impostos. "Com uma margem menor de lucros, o empresário prioriza pagar os fornecedores e os funcionários do que pagar os tributos. Isso vai destruindo a empresa", acrescenta.

O empreendedor Walace Tonon, de Belo Horizonte, enfrentou exatamente esse problema. Há dois anos, ele lançou uma franquia de bolos para ser comercializada em shoppings, mas a conta acabou não fechando.

"Eu formatei um negócio onde um bolo custaria R$ 12, mas as pessoas ficaram mais pobres e só poderiam pagar R$ 8. A margem de lucro ficou muito apertada para pagar as contas e todos os impostos. Resolvi sair do negócio um ano e meio depois", conta ele.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.