Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Nöra se junta a ingleses para fabricar assentos de estádios na Copa

A companhia brasileira anunciou joint-venture com a Bluecube e pretende duplicar de tamanho com o novo mercado

São Paulo – A empresa de móveis corporativos Nöra anunciou uma joint venture com a inglesa Bluecube, especializada na produção de cadeiras e poltronas para estádios. Com o novo mercado, a companhia brasileira pretende duplicar o faturamento e chegar a 20 milhões de reais até o final do ano.

Segundo Vinicius Cipriano, um dos sócios da Nöra, a notícia da Copa do Mundo no Brasil trouxe a ideia de expandir o portfólio. “A gente chegou na Bluecube através de uma pesquisa feita no estádio olímpico de Londres. Eles já faziam projetos globais, mas não na América Latina”, diz. Com um ano e meio de mercado, a Nöra fatura 10 milhões de reais por ano e espera dobrar de tamanho com o impulso dos eventos esportivos.

A Nöra Bluecube irá fabricar os assentos no Brasil e prevê gerar 150 empregos indiretos para cada projeto. “Uma das questões que a gente escolheu a empresa foi por esse modelo de fabricação local. Eles ganharam em Londres pela sustentabilidade da produção local e resolvemos ter a mesma estratégia aqui”, conta. A princípio, os assentos serão produzidos no interior de São Paulo.

A decisão de quem deve fornecer assentos para os estádios deve acontecer nos próximos meses. Cipriano explica que a empresa já garantiu a certificação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para o fornecimento do material. Segundo ele, foi criado um molde específico para atender o mercado brasileiro. “Um molde consegue atender quatro estádios ao mesmo tempo. A ideia é ter dois ou três porque existem várias outras oportunidades”, afirma. Além dos estádios da Copa, o empresário diz que “qualquer tipo de arena seria mercado” para a Nöra Bluecube.

Os assentos são fabricados em polipropileno de alto impacto e poliamida reforçada com fibra de vidro. “Este assento não tem estrutura metálica e usa injeção a gás, o que o deixa mais forte do que aço e muito leve. É praticamente impossível destruir e por questões de segurança ele é muito forte”, explica.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também