Mercado Livre dos restaurantes, startup Floki capta R$ 50 mi

Em rodada seed, startup que criou marketplace para digitalizar compras de bares e restaurantes atraiu Valor Capital Group e NFX
Marcelo Espiga e Luigi Rodrigues, fundadores da Floki: startup cata R$ 50 mi para facilitar compras de restaurantes (Floki/Divulgação)
Marcelo Espiga e Luigi Rodrigues, fundadores da Floki: startup cata R$ 50 mi para facilitar compras de restaurantes (Floki/Divulgação)
M
Maria Clara Dias

Publicado em 20/04/2022 às 10:56.

Última atualização em 20/04/2022 às 12:13.

A Floki é uma startup que nasceu para digitalizar a compra de produtos. À primeira vista, a proposta de valor pode parecer comum em meio a tantas outras ofertas similares no mercado. A diferença, no entanto, está no público-alvo: a Floki mira bares e restaurantes de médio porte e promete facilitar o dispendioso e burocrático processo de compra de insumos.

Últimos dias – Garanta o seu lugar entre as melhores do Brasil, entre no Ranking Negócios em Expansão 2022

A ideia já atraiu os primeiros adeptos. Nesta quarta-feira, 20, a Floki anuncia a capatação de R$ 50 milhões em uma rodada seed liderada pelos fundos Valor Capital Group e NFX. Também participaram os fundos Latitud, Iporanga Ventures e anjos como Ralf Wenzel (fundador da JOKR, de delivery) e Andres Bilbao (fundador da Rappi).

Criada pelos empreendedores e ex-McKinsey Luigi Rodrigues e Marcelo Espiga, a Floki chegou ao mercado quase que simultaneamente ao início da pandemia de covid-19, em março de 2020, o que serviu para colocar à prova o modelo de negócio. "Provamos nossa tese pois, na pandemia, esses estabelecimentos buscavam menores custos", explica Luigi Rodrigues, um dos fundadores da startup.

VEJA TAMBÉM

aMORA, de aluguel com 'cashback', recebe aporte de R$ 16 milhões

Tinder dos veganos: Veggly recebe aporte e quer unir casais contra a carne

Segundo Rodrigues, o benefício da Floki a bares e restaurantes continua, mesmo depois das fases mais agudas da pandemia e diante da reabertura definitiva dos pontos comerciais, especialmente graças à uma inflação progressiva. “Economizar continua sendo uma questão de vida ou morte”, diz.

A startup se propõe a ser uma espécie de "Mercado Livre do foodservice", e faz isso a partir de uma plataforma digital com cara de marketplace onde estabelecimentos do setor podem automatizar suas compras mensais, de alimentos a produtos de limpeza, e fornecedores podem anunciar seus produtos.

Além de facilitar o processo de compra em si e poupar tempo dos proprietários, a Floki promete preços até 30% menores. “Ajudamos a solucionar o que esses empreendedores costumam resolver com papel, caneta e um bocado de mensagens no WhatsApp”, diz Rodrigues.

A grosso modo, a comparação com o Mercado Livre serve apenas para tornar a compreensão da proposta da startup mais simples. Algumas adições tecnológicas no caminho, porém, mostram o diferencial da Floki para o setor de foodservice. Dotada de inteligência artificial, a plataforma busca agir de forma preditiva para dar recomendações de novos produtos, marcas e fornecedores em busca de economia de custo a cada mês, com base no perfil de compra de cada estabelecimento. Hoje a Floki funciona sob um modelo de assinatura de R$ 150 por mês.

Com o aporte, a Floki pretende ampliar o aparato tecnológico da plataforma, incluindo funcionalidades essenciais para as empresas, como o acompanhamento de métricas de tempo de entrega dos fornecedores, o cumprimento de prazos e qualidade dos produtos, além de uma ferramenta de IA para avaliar a curva de preços periodicamente.

De outro lado, mais informações para os restaurantes também implica em mais insights para a própria Floki. Com esses dados em mãos, a intenção é lançar, nos próximos meses, seu primeiro produto financeiro: o crediário digital, ou Buy Now Pay Later (BNPL). “Temos transparência sobre as transações de cada cliente, quão bom pagador ele é com cada fornecedor, o volume de compras com cada um e assim entendemos suas necessidades e estaremos prontos para oferecer esse crédito sem risco", explica o fundador.

Sem divulgar o tamanho da base de clientes atual, a Floki afirmar ter "algumas centenas de restaurantes" em seu portfólio e ter multiplicado por 20 o valor transacionado no último ano. Para os próximos meses, a intenção é movimentar cerca de R$ 60 milhões por mês.

Assine a EMPREENDA, a nova newsletter semanal da EXAME para quem faz acontecer nas empresas brasileiras!