Depois da aquisição pela Loft, startup Uotel muda marca para Nomah

A empresa deixa de se posicionar só como alternativa para estadias curtas e vai investir R$ 50 milhões em tecnologia e expansão nos próximos três anos

No último ano, tudo mudou para a startup de locação de imóveis para estadias curtas Uotel. Fundada em 2016 pelos sócios Fabio Bertini e Thomaz Guz, a empresa se propunha a ser uma alternativa aos tradicionais hotéis e apartamentos do Airbnb. Com a chegada da pandemia em março do ano passado, as necessidades dos clientes mudaram e, pouco a pouco, a companhia se viu atendendo a um público que busca estadias mais longas, mas não quer se amarrar em um contrato de aluguel de vários meses.

Em maio de 2020, a startup foi adquirida pelo unicórnio Loft, de compra e venda de apartamentos, o que deu fôlego para a empresa mudar sua estratégia. Nesta quarta-feira, 10, a companhia anuncia que está deixando a marca antiga e adotando o nome Nomah. A mudança consolida essa transição do foco em estadias curtas para abarcar também as mais longas — hoje, 20% do portfólio de 400 apartamentos está alugado para locações mensais e a modalidade cresceu 300% de janeiro a fevereiro deste ano.

“Decidimos fazer a mudança por entender que a Uotel entregava só essa proposta de valor da locação curta. Além disso, queremos nos posicionar como uma gestora de ativos residenciais e precisávamos de uma marca que representasse isso”, diz Thomaz Guz.

A empresa recebeu um aporte de 50 milhões de reais da Loft para poder investir na expansão das unidades administradas e em tecnologia pelos próximos três anos. Até o final de 2021, os planos da Nomah são chegar a 1.200 apartamentos sob gestão e iniciar as operações em outra capital — provavelmente o Rio de Janeiro.

Apartamento da Nomah na Vila Nova Conceição, em São Paulo: empresa administra 400 imóveis

Apartamento da Nomah na Vila Nova Conceição, em São Paulo: empresa administra 400 imóveis (Nomah/Divulgação)

A proposta da Nomah

A Nomah trabalha como uma gestora de imóveis de proprietários e investidores, em modelo similar ao da Housi (startup spin-off da Vitacon). Ao assumir um apartamento, a empresa garante que o dono o reforme e decore seguindo seu padrão de qualidade.

Depois disso, ela se responsabiliza por pagar as contas, fazer a manutenção e alugar a unidade em um modelo de locação flexível, em que o cliente pode ficar pelo tempo que precisar. No final do mês, os proprietários recebem um valor variável de acordo com o aluguel daquele período.

Agora, a Nomah está olhando com mais atenção para o mercado de investidores institucionais de imóveis — que tende a crescer com a taxa básica de juros na casa de 2%. “Estamos abrindo nosso leque e conversando com parceiros que tenham interesse nos nossos serviços, como fundos, family offices e investidores imobiliários”, diz Guz.

Em outra frente, a startup pretende se associar com incorporadoras para se colocar à disposição dos compradores desde o momento da aquisição do imóvel. A ideia é que a parceria ajude as pessoas interessadas em comprar apartamentos para investir a se sentir mais seguras de que terão renda no futuro. “Já temos cinco contratos fechados”, afirma o fundador.

Hoje, os imóveis na plataforma, que variam de 20 a 75 m², têm valor médio de locação de 4.000 reais, com condomínio, luz e internet inclusos. Além disso, a startup disponibiliza serviços como limpeza e café da manhã, que precisam ser pagos separadamente. "Desde o primeiro apartamento que tivemos sob nossa administração, a experiência do cliente sempre foi prioridade", diz o cofundador Fabio Bertini, responsável pela área de engenharia e arquitetura da empresa. 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.