Cargo X, startup brasileira de transportes, recebe aporte de R$ 15 milhões

Segundo a companhia, os recursos serão usados para ajudar com capital de giro transportadoras afetadas pelos efeitos da pandemia do coronavírus
Caminhões: startup brasileira de logística Cargo X conecta cargas a transportadores (Pixabay/Reprodução)
Caminhões: startup brasileira de logística Cargo X conecta cargas a transportadores (Pixabay/Reprodução)
R
Reuters

Publicado em 17/06/2020 às 14:46.

Última atualização em 17/06/2020 às 14:51.

A startup brasileira de logística Cargo X, que conecta cargas a transportadores, anunciou nesta quarta-feira que recebeu um aporte de 15 milhões de reais da Pattac Empreendimentos.

Segundo a companhia, os recursos serão usados para ajudar com capital de giro transportadoras afetadas pelos efeitos da pandemia do coronavírus e que operam no marketplace da startup.

A Cargo X tem 450 empregados e conecta cerca de 20 mil empresas de transportes e 400 mil caminhoneiros a cargas, além de oferecer serviços financeiros e de tecnologia.

"A Pattac é um dos maiores investidores em infraestrutura da América Latina e atua há mais de 70 anos no setor, o que traz expertise e sinergias que permitirão acelerar a expansão da Cargo X no Brasil e no resto do continente", afirmou em nota o presidente da Cargo X, Federico Vega.

Com o transporte de cargas fortemente fragmentado entre pequenas transportadoras e caminhoneiros autônomos, o setor há anos tem sentido ainda mais fortemente os efeitos da baixa atividade econômica, o que derrubou os preços dos fretes. O cenário foi agravado recentemente pela queda da atividade econômica provocada pelos efeitos da pandemia.

O anúncio ocorre pouco mais de dois meses após a empresa ter recebido outra rodada de 430 milhões de reais liderado pela LGT Lightstone. A Cargo X já captou mais de 920 milhões de reais de investidores, também incluindo Farallon Capital, Valor Capital, Goldman Sachs, BlackStone e Soros Fund Management.

A Cargo X afirma ter intermediado a movimentação de cerca de 80 bilhões de reais em fretes no ano passado. Para 2020, a startup quer dobrar o número de transportadores na sua rede.

Outra empresa do setor, a BBM Logística, que tem crescido com ajuda de aquisições de transportadoras de pequeno e médio portes, pediu no começo deste ano registro para fazer uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na B3, mas suspendeu os planos após a pandemia.