Yahoo! será colocado à venda após demissão de Carol Bartz, diz jornal

Presidente executiva da empresa foi demitida após fracassar na tentativa de inovação frente aos concorrentes Google e Apple

Yahoo: a empresa já foi líder entre os buscadores perdeu espaço para novos gigantes da tecnologia (Justin Sullivan/Getty Images)

Yahoo: a empresa já foi líder entre os buscadores perdeu espaço para novos gigantes da tecnologia (Justin Sullivan/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de setembro de 2011 às 16h20.

São Paulo – O Yahoo! enfrenta uma de suas maiores crises. Segundo o jornal britânico The Guardian, a empresa será colocada à venda. A decisão foi tomada pouco depois da demissão da presidente executiva da empresa, Carol Bartz. Se a notícia for confirmada, significará o fim de 17 anos de independência da companhia.

De acordo com o jornal, o Yahoo! encontra-se emparedado por duas gigantes do setor: o Facebook e o Google. As empresas estão drenando a maior parte das verbas publicitárias e da audiência da internet – o que dificulta bastante uma eventual guinada do site fundado por Jerry Yang.

A ex-chefe do Yahoo! recebeu a notícia de sua saída por telefone. No lugar dela está o diretor financeiro Timothy Morse, que agora acumula a função de presidente enquanto o conselho de administração procura um nome definitivo. Em comunicado oficial, o Yahoo! afirmou que a mudança é “estratégica para que a empresa aproveite as oportunidades de crescimento”.

Bartz havia sido nomeada para o cargo para enfrentar os concorrentes Google e Apple. A executiva, porém, obteve resultados bem irregulares, com uma série de trimestres no vermelho. Ainda assim o Yahoo! continua como o segundo maior buscador, atrás apenas, veja só, do Google.

A situação da empresa, no entanto, poderia ter tido um rumo totalmente diferente se o fundador do Yahoo!, Jerry Yang, tivesse aceitado a proposta de compra feita pela Microsoft por 44 bilhões de dólares, em meados de 2008. A justificativa para a recusa foi de que o Yahoo! poderia crescer muito mais do que o valor que a Microsoft estava oferecendo.

A crise financeira veio logo na sequência e a companhia de Bill Gates desistiu da proposta. Tempos depois, Bartz conseguiu aprovar o acordo entre as empresas para o buscador Bing – o que não trouxe benefício algum para nenhuma delas. Agora a busca do Yahoo! é por um novo comprador que o tire do sufoco. 

Mais de Negócios

Cartão de crédito consignado: o que é, como funciona e quem pode contratar

O coworking que eles criaram na garagem de casa supera a pandemia, faz R$ 10 milhões e vai expandir

Grupo J&F anuncia investimento de R$ 25 bilhões e criação de 10 mil empregos no Brasil

Desenrola para empresas: veja perguntas e respostas sobre os novos programas para MEIs

Mais na Exame