XP Investimentos confirma compra da Clear corretora

Pagamento será feito, conforme nota à empresa, via troca de ações entre as empresas, que vão continuar atuando de forma independente

	Guilherme Benchimol: para CEO da XP Investimentos, o potencial de crescimento da Clear é "gigantesco"
 (Marcelo Correa)
Guilherme Benchimol: para CEO da XP Investimentos, o potencial de crescimento da Clear é "gigantesco" (Marcelo Correa)
Por Aline BronzatiPublicado em 28/07/2014 14:50 | Última atualização em 28/07/2014 14:50Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo - A XP Investimentos confirmou nesta segunda-feira, 28, a aquisição da Clear corretora, conforme antecipado pelo Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência estado, em matéria publicada no dia 17 de julho. O pagamento será feito, conforme nota à empresa, via troca de ações entre as empresas. Apesar da incorporação, as duas corretoras vão continuar atuando de forma independente.

A estrutura, equipe e marca da Clear serão mantidas. A Clear, voltada para investidores pessoas físicas, tem uma carteira de 6,5 mil clientes e abre em média 15 contas por dia, conforme fonte ouvida pelo Broadcast.

Foi fundada em 2012, a partir de um investimento de R$ 20 milhões, pelos sócios Mauro Bennati, José Rosseto, Roberto Lee, João Procópio e Paolo Mason. A aquisição da Clear pela XP ainda depende de aprovação do Banco Central para ser concluída.

"O que muda é que contaremos com a força do Grupo XP para acelerar o nosso crescimento e a consolidação da nossa marca", afirma Roberto Lee, sócio-fundador da Clear, que permanecerá a frente da operação.

Para Guilherme Benchimol, CEO da XP Investimentos, o potencial de crescimento da Clear é "gigantesco". "A Clear tem o modelo online mais eficiente do mercado. Sem dúvida, foi a corretora que mais cresceu neste segmento nos últimos anos", afirma ele, em nota.

Com R$ 3,2 bilhões em ativos sob gestão, a XP encerrou 2013 com faturamento de R$ 400 milhões e patrimônio líquido de cerca de R$ 500 milhões. A corretora, com sede no Rio de Janeiro e filial em São Paulo, tem hoje uma carteira de 80 mil clientes, R$ 12 bilhões sob custódia total e 1,3 mil agentes de investimento credenciados.