Acompanhe:
seloNegócios

Waze lança app de caronas no Brasil, com preços a partir de R$ 4

Por conta do lançamento no país, a carona custará R$ 2 para quem a pede, por tempo limitado

Modo escuro

Continua após a publicidade
Logo do aplicativo de mapas Waze (Lionel Bonaventure/AFP)

Logo do aplicativo de mapas Waze (Lionel Bonaventure/AFP)

K
Karin Salomão

Publicado em 21 de agosto de 2018 às, 15h41.

Última atualização em 21 de agosto de 2018 às, 15h41.

São Paulo – O Waze lançou hoje, 21, um serviço de carona em todo o Brasil. A ideia é tirar carros das ruas ao juntar pessoas que têm os mesmos trajetos todos os dias.

Um motorista que deseja oferecer caronas pode escolher seus passageiros e limitar as opções apenas para quem trabalha na mesma empresa, por exemplo.

O serviço não deve concorrer com outros aplicativos de transporte, como Uber ou 99, diz a companhia, já que não é voltado a motoristas profissionais e cada um só pode oferecer duas caronas por dia.

“Nosso maior concorrente são os carros que trafegam com apenas uma pessoa dentro”, diz Noam Bardin, fundador e CEO global do Waze.

Ao limitar as opções, a empresa quer se distanciar dos outros aplicativos de mobilidade urbana. Inclusive, a primeira versão do serviço era “um Uber mais barato”, conta, mas não deu certo. “Descobrimos que o que convence alguém a dar ou receber carona é já ter andando com aquela pessoa”, diz o presidente.

O Waze Carpool já existe em seis estados nos Estados Unidos e em algumas regiões de Israel, mas o Brasil é o primeiro país em que o serviço estará totalmente disponível.

O Brasil é hoje o segundo maior mercado para o Waze e, com a velocidade de crescimento, pode ocupar o primeiro lugar, acredita Bardin. “O trânsito é ruim, mas os brasileiros são otimistas e dispostos a testar novos serviços, por isso temos tanto engajamento no país”, diz.

O Waze tem 100 milhões de usuários mensais pelo mundo. São Paulo, que é a maior cidade para o aplicativo, tem 4 milhões de usuários mensais.

Como funciona

O serviço irá custar de 4 a 25 reais e o motorista tem a opção de ajustar o preço que gostaria de cobrar. Isso irá ajudar a empresa a entender qual a melhor forma de precificação do serviço e, consequentemente, como monetizá-lo. Hoje, o Waze não retira nenhuma porcentagem e o pagamento vai todo para o motorista.

Por conta do lançamento no país, a carona custará R$ 2 para quem a pede, por tempo limitado. Já os motoristas receberão o valor normal, subsidiado pelo Google, que controla o Waze. “É a vantagem de pertencer a uma grande empresa, com bolsos fundos”, brinca o presidente.

Para quem quer pegar uma carona, existe um aplicativo específico chamado Waze Carpool. Já para os motoristas, é necessário habilitar a função no aplicativo original.

Quem oferece a carona pode escolher o passageiro e vice-versa. É possível escolher apenas pessoas do mesmo sexo ou que trabalhem no mesmo lugar. Além disso, o aplicativo dá acesso às redes sociais dos integrantes, já que a ideia é que as pessoas se conheçam.

Antes do lançamento oficial, o serviço passou dois meses sendo testado por pessoas de 60 empresas, como Natura, BR Distribuidora, magazine Luiza, Google, Gol, IBM e Nubank. Durante o teste, os carros rodaram mais de 40 mil quilômetros, diz a empresa.

Mobilidade urbana

Quando o Waze surgiu, há quase 10 anos, o objetivo era ajudar motoristas a fugir do trânsito.

Nesse tempo, diversas empresas de tecnologia foram criadas para tentar resolver o problema do trânsito e contribuir com a mobilidade urbana. Entre eles, estão aplicativos de transporte como Uber, 99, BlaBlaCar e Cabify.

Uma das empresas de Elon Musk, fundador da Tesla, é a The Boring Company (A Empresa Chata, em português), que constrói túneis para desafogar o trânsito nas grandes cidades. O Google, assim como diversas companhias, está desenvolvendo carros autônomos.

Empresas de bicicletas, scooters e patinetes elétricos também surgem para abocanhar parte do mercado e prometem melhorar a vida nas grandes cidades.

“Estamos ficando sem opções. Só iremos mudar o problema se todos cooperarmos”, afirmou Bardin.

Últimas Notícias

Ver mais
Uber Eats inicia entregas com robôs no Japão
Tecnologia

Uber Eats inicia entregas com robôs no Japão

Há 4 horas

Piso, carga horária e INSS: o que mudará para motoristas de apps se projeto de Lula for aprovado
Brasil

Piso, carga horária e INSS: o que mudará para motoristas de apps se projeto de Lula for aprovado

Há 6 horas

Uber pede ao STF suspensão de processos que tratam de vínculo com motoristas
Brasil

Uber pede ao STF suspensão de processos que tratam de vínculo com motoristas

Há 20 horas

Regulação de trabalho por aplicativo é considerada um avanço por empresas do setor
Economia

Regulação de trabalho por aplicativo é considerada um avanço por empresas do setor

Há 20 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais