Negócios

"Vou sentar na praia e não fazer nada", diz CEO de empresa de US$ 68 bilhões ao pedir demissão

Andrew Formica, de 51 anos, deixou seu cargo de CEO na Jupiter Fund Management em outubro deste ano para ir à praia na Austrália

CEO Andrew Formica deixa empresa de investimentos Jupiter Fund Management (Munshi Ahmed/Bloomberg/Bloomberg)

CEO Andrew Formica deixa empresa de investimentos Jupiter Fund Management (Munshi Ahmed/Bloomberg/Bloomberg)

Isabela Rovaroto

Isabela Rovaroto

Publicado em 23 de dezembro de 2022 às 05h00.

Última atualização em 26 de dezembro de 2022 às 13h29.

Trabalhar no mercado financeiro pode parecer uma tarefa difícil, mas alguns investidores de sucesso como Warren Buffett, de 91 anos, demonstram o esforço aparentemente interminável dos agentes do mercado. É raro ver um executivo bem-sucedido se aposentar cedo para ir à praia, mas é exatamente isso que o CEO da Jupiter Fund Management anunciou em junho deste ano.

Andrew Formica, de 51 anos, foi CEO da empresa de investimentos de US$ 68 bilhões com sede em Londres por três anos. Ele deixou a companhia em outubro deste ano para ir à praia na Austrália, seu país natal.

"Só quero sentar na praia e não fazer nada. Não estou pensando em mais nada", disse Formica à Bloomberg em entrevista.

Matthew Beesley, diretor de investimentos da Jupiter, vai assumir o cargo de Formica, que deixará seu cargo em 1º de outubro para aproveitar as praias da Austrália.

Apesar de deixar o cargo de CEO e deixar o Reino Unido, Formica vai permanecer no negócio até 30 de junho de 2023 para "garantir uma transição suave de liderança e para ajudar em vários objetivos estratégicos", informou a empresa em comunicado.

Trajetória profissional

Formica vive no Reino Unido há três décadas e disse que questões pessoais, como o desejo de estar mais perto de seus pais, foram o motivo de sua despedida do mercado financeiro.

Antes da Jupiter Fund Management, Formica liderou em 2017 a fusão entre a empresa de fundos americana Janus e a Henderson, com sede no Reino Unido, mas acabou perdendo a liderança para seu co-CEO em 2018.

O trabalho provavelmente não ficou mais fácil para Formica quando ele ingressou na Jupiter Fund Management em 2019, que passou por quatro anos consecutivos de saídas líquidas de clientes.

 

Esta reportagem faz parte da Retrospectiva de 2022 e foi publicada originalmente em junho. 

VEJA TAMBÉM:

Acompanhe tudo sobre:AustráliaCEOsDemissõesReino Unido

Mais de Negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Mais na Exame