Negócios

Votorantim mira mercados maduros de cimento contra inflação e volatilidade

A maior produtora de cimento do país anunciou hoje a compra de ativos da HeidelbergCement na Espanha, após ter concluído a aquisição da Cementos Balboa no país

Unidade da Votorantim: para o público universitário, são 88 vagas para estudantes para trabalharem nas áreas corporativas, industriais e comerciais das diferentes unidades de negócio da companhia (Germano Lüders/Exame)

Unidade da Votorantim: para o público universitário, são 88 vagas para estudantes para trabalharem nas áreas corporativas, industriais e comerciais das diferentes unidades de negócio da companhia (Germano Lüders/Exame)

B

Bloomberg

Publicado em 11 de novembro de 2021 às 11h16.

Por Mariana Durao, da Bloomberg

A Votorantim Cimentos quer expandir sua presença em economias maduras com moedas fortes e está se preparando para um cenário de inflação generalizada e volatilidade em 2022, disse o CEO da empresa, Marcelo Castelli.

A maior produtora de cimento do país anunciou hoje a compra de ativos da HeidelbergCement na Espanha, após ter concluído a aquisição da Cementos Balboa no país. No Canadá, o grupo arrematou a McInnis recentemente. Oportunidades de aquisições na América do Norte e na península Ibérica seguirão no radar, segundo o CEO. A companhia já tem mais de 50% da receita gerada fora do mercado brasileiro por conta da estratégia de diversificação em curso, considerada uma forma de dar resiliência às operações.

A Votorantim Cimentos registrou receita global de R$ 6,4 bilhões no terceiro trimestre, um aumento de 24% em relação ao ano anterior, embora as margens tenham encolhido em meio a interrupções na cadeia de suprimentos e preços mais altos das commodities.

“A inflação está presente em todos os países em que operamos. Essa dinâmica não se altera no curto prazo”, disse o diretor financeiro da empresa, Osvaldo Ayres Filho.

No Brasil, onde as vendas no varejo representam 70% do mercado de cimento, a demanda está enfraquecendo devido à inflação. A perspectiva de consumo da Votorantim para 2022 varia de estável à queda de 5% no pior cenário, após um avanço de 6% projetado para este ano. Um cenário mais positivo ou negativo dependerá da situação do consumidor de baixa renda e do impacto de programas sociais como o Auxílio Brasil, de transferência de renda. “Já sentimos um arrefecimento da demanda do varejo”, diz Castelli.

Em meio ao quadro de inflação e alta volatilidade global, o plano de IPO da Votorantim Cimentos segue sem data definida. “Continua sendo uma premissa de longo prazo. Depende do ambiente de negócios. A empresa pode seguir seu plano de negócios com geração de caixa orgânica”, afirmou o executivo.

Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia. Assine a EXAME 

Acompanhe tudo sobre:VotorantimVotorantim Cimentos

Mais de Negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Mais na Exame