Vítima do coronavírus: vinho chileno sofre com redução de compras da China

As compras chinesas de alimentos chilenos caíram de 50% a 60% desde o início do surto de coronavírus

O Chile tem conseguido evitar casos do vírus que afeta vários setores da economia chinesa a quase 20 mil quilômetros de distância. No entanto, exportadores de alimentos chilenos certamente estão sentindo os efeitos.

As compras chinesas de alimentos chilenos caíram de 50% a 60% desde o início do surto de coronavírus, de acordo com a agência governamental de promoção de exportações ProChile. Cerejas, vinho e frutos do mar estão entre os itens mais afetados. Cerca de 30% de todas as exportações chilenas são destinadas à China.

“Estamos tentando mitigar as perdas redirecionando embarques para outros países da Ásia”, disse o diretor-geral da ProChile, Jorge O’Ryan, em entrevista por telefone da Alemanha, onde participou de uma feira de frutas. “Teremos que esperar as próximas duas ou três semanas para avaliar a situação adequadamente.”

O surto, que já infectou mais de 24 mil pessoas e matou quase 500, levou ao confinamento de 50 milhões de pessoas em uma dúzia de cidades chinesas. Inúmeros residentes estão optando por trabalhar e comer em casa. Com os canais de distribuição congestionados, os fluxos de itens alimentares básicos estão sendo priorizados.

Além da queda das encomendas, cerca de 1,4 mil contêineres com alimentos e vinho chilenos aguardam o desembarque nos portos chineses, disse O’Ryan.

Os portos chineses estão aceitando de 40 a 50 contêineres por dia do Chile, em comparação com 200 a 350 normalmente. Esse gargalo pode levar à perda de produtos perecíveis e provocar uma escassez de contêineres refrigerados, afirmou.

Ainda assim, a Fedefruta, associação do setor de frutas do Chile, destacou medidas para limitar os cortes de distribuição na China e reduzir o período de remessa para minimizar o impacto dos atrasos nos portos.

(Colaborou Laura Millan Lombrana)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também