Acompanhe:
seloNegócios

Vendas da Vulcabrás atingem mais de R$ 1 bilhão no semestre

Aumento de consumo, lançamentos e produtos de maior valor agregado elevaram as vendas da companhia no período

Modo escuro

Continua após a publicidade
Linha de montagem da Vulcabrás/Azaléia: parte dos investimentos será destinado ao aumento de produção (.)

Linha de montagem da Vulcabrás/Azaléia: parte dos investimentos será destinado ao aumento de produção (.)

T
Tatiana Vaz

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 03h41.

São Paulo - Com a retomada de crescimento do setor de calçados, a fabricante Vulcabrás, dona da marca Azaléia, tem expectativas de chegar até dezembro com uma receita bruta 30% maior que a do ano passado - patamar que a companhia seguia até 2008.

Por enquanto, os resultados parecem acompanhar o ritmo pretendido pela empresa, que tradicionalmente tem 60% de suas vendas concentradas no segundo semestre do ano. Até o segundo semestre, suas vendas brutas 1,026 bilhão de reais, valor 23,7% maior que o registrado no mesmo período do ano passado. Esse resultado deve-se ao aumento do consumo no mercado interno, que somou 489,4 milhões de reais no período.

"Esse valor, 23,6% maior que o obtido no mesmo período de 2009, é conseqüência do aumento de lançamentos que fizemos este ano, dos investimentos nas marcas e também da venda de produtos de maior valor agregado", afirmou Milton Cardoso, presidente da Vulcabrás.

Lançamentos

Apenas no segundo trimestre, a companhia lançou 380 modelos de calçados: 312 femininos; 56 esportivos e 12 sandálias. Por conta de investimentos em design e maior quantidade de peças na produção de cada modelo, a empresa pôde elevar o preço médio dos calçados vendidos de 44 reais para 49 reais o par.

Como exemplo, Cardoso menciona um dos modelos de tênis lançados em janeiro deste ano, o Olympikus Zomax. O calçado custa 340 reais e, apenas nesse primeiro semestre, mais de um milhão de pares já foram vendidos no país. "Essa era a meta de vendas que havíamos estabelecido para este ano inteiro", disse o executivo. "Com esse resultado, dobramos nossa expectativa: queremos vender dois milhões de pares até dezembro".

O resultado líquido ajustado da companhia apresentou reversão do resultado negativo apurado no segundo trimestre de 2009, de 10,7 milhões de reais para um lucro líquido ajustado de 33,2 milhões de reais no segundo trimestre deste ano. No semestre, houve evolução de 319,2% do resultado líquido ajustado, que atingiu 43,6 milhões de reais.

Investimentos

Os investimentos da companhia previstos para serem feitos entre 2010 e 2011 somam 283 milhões de reais, sendo 163 milhões de reais em produção e 120 milhões de reais em pesquisa, desenvolvimento e inovação. Desse total, 49,1 milhões foram feitos no primeiro semestre deste ano.

"Um dos nossos intuitos com esse investimento é recuperar a liderança no mercado de calçados femininos com a marca Azaléia", afirmou Cardoso. "Hoje temos cerca de 8% de participação no mercado, esperamos subir para 10% até dezembro".
 

Últimas Notícias

Ver mais
BNDES: lucro líquido cai 5% para R$ 11,9 bilhões em 2023
seloMercados

BNDES: lucro líquido cai 5% para R$ 11,9 bilhões em 2023

Há 3 horas

Quais países mais gastaram em jogadores brasileiros nos últimos anos? Pesquisa da CIES revela
Esporte

Quais países mais gastaram em jogadores brasileiros nos últimos anos? Pesquisa da CIES revela

Há 5 dias

Indústria pede que STF analise ação contra isenção de imposto para compras de até US$ 50
Economia

Indústria pede que STF analise ação contra isenção de imposto para compras de até US$ 50

Há 5 dias

Da infância sem luz à receita de R$ 100 milhões, o paranaense que popularizou a cama box no Brasil
seloNegócios

Da infância sem luz à receita de R$ 100 milhões, o paranaense que popularizou a cama box no Brasil

Há 6 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais