• AALR3 R$ 19,95 1.32
  • AAPL34 R$ 72,35 -1.43
  • ABCB4 R$ 16,66 -1.59
  • ABEV3 R$ 14,64 -0.61
  • AERI3 R$ 3,91 0.51
  • AESB3 R$ 10,85 0.37
  • AGRO3 R$ 31,89 0.79
  • ALPA4 R$ 21,43 -0.28
  • ALSO3 R$ 19,66 -2.29
  • ALUP11 R$ 26,39 0.11
  • AMAR3 R$ 2,46 0.82
  • AMBP3 R$ 31,52 3.99
  • AMER3 R$ 23,18 0.70
  • AMZO34 R$ 70,02 -3.21
  • ANIM3 R$ 5,68 -0.53
  • ARZZ3 R$ 82,69 -0.10
  • ASAI3 R$ 15,61 -1.39
  • AZUL4 R$ 22,14 -0.23
  • B3SA3 R$ 11,69 -1.76
  • BBAS3 R$ 36,61 0.49
  • AALR3 R$ 19,95 1.32
  • AAPL34 R$ 72,35 -1.43
  • ABCB4 R$ 16,66 -1.59
  • ABEV3 R$ 14,64 -0.61
  • AERI3 R$ 3,91 0.51
  • AESB3 R$ 10,85 0.37
  • AGRO3 R$ 31,89 0.79
  • ALPA4 R$ 21,43 -0.28
  • ALSO3 R$ 19,66 -2.29
  • ALUP11 R$ 26,39 0.11
  • AMAR3 R$ 2,46 0.82
  • AMBP3 R$ 31,52 3.99
  • AMER3 R$ 23,18 0.70
  • AMZO34 R$ 70,02 -3.21
  • ANIM3 R$ 5,68 -0.53
  • ARZZ3 R$ 82,69 -0.10
  • ASAI3 R$ 15,61 -1.39
  • AZUL4 R$ 22,14 -0.23
  • B3SA3 R$ 11,69 -1.76
  • BBAS3 R$ 36,61 0.49
Abra sua conta no BTG

Vendas no e-commerce brasileiro crescem 41% em 2020, diz Nielsen/Ebit

Segundo a consultoria, o comércio eletrônico faturou 87,4 bilhões de reais no ano passado, puxado pela alta do Nordeste
E-commerce: 43% das compras feitas tinham frete grátis como benefício ao consumidor (Exame/Germano Lüders)
E-commerce: 43% das compras feitas tinham frete grátis como benefício ao consumidor (Exame/Germano Lüders)
Por Carolina IngizzaPublicado em 25/03/2021 10:18 | Última atualização em 25/03/2021 10:18Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Impulsionado pela pandemia de coronavírus, o e-commerce brasileiro cresceu 41% em 2020, faturando 87,4 bilhões de reais, melhor desempenho desde 2007. Os dados são da pesquisa Webshoppers conduzida pela consultoria Ebit/Nielsen em parceria com Bexs Banco.

A alta no faturamento das vendas pela internet se deu pelo aumento na quantidade de pedidos: foram 194 milhões, 30% a mais que em 2019. “O brasileiro mostrou estar totalmente ambientado com o ambiente de compras online. Esse processo amadureceu de maneira muito rápida por causa da pandemia. E os comerciantes souberam transformar a dificuldade em maiores ganhos oferecendo um serviço ágil, confiável e eficiente”, afirmou o líder de e-commerce da Ebit/Nielsen, Marcelo Osanai.

O brasileiro comprou mais pelo smartphone. Do total das vendas, 55,1% ocorreram através desses dispositivos. Isso representa 45,9 bilhões de reais em vendas pelo celular, 79% a mais que em 2019 e 176% sobre 2018. No total, foram 106,6 milhões de pedidos feitos pelos dispositivos móveis. “O brasileiro ficou muito conectado durante a pandemia, com o celular ao alcance da mão. E isso facilitou muito para fazer suas compras de supermercado, roupas, artigos de casa e decoração”, diz Osanai.

As lojas de departamento concentraram 84,3% das vendas de 2020, seguidas pelas de artigos esportivos (2,8%), informática (2,4%), roupas (2,2%) e autosserviço (1,8%). Para o consumidor, o frete grátis é um grande motor de compra: 43% dos pedidos foram nessa modalidade de entrega.

Quanto ao perfil de compra, o brasileiro usa os sites de busca e as redes sociais para chegar até as lojas online. Para artigos de casa e decoração, por exemplo, ambos canais são o início de 55% de todas as vendas. Já para roupas e calçados, é o início de 44%, seguido por perfumaria (38%), petshop (33%) e farmácia (30%).

Entre as regiões brasileiras, os estados do Sudeste continuam correspondendo a 52% do faturamento total, mas o Nordeste dobrou sua participação de um ano para o outro, de 18,5% para 31,7%. “Esse dado mostra que o e-commerce é uma realidade em todo o país, deixou de ser algo restrito. E isso pode ser atribuído às restrições da pandemia. O processo de interiorização do e-commerce se acelerou por conta da nova realidade imposta em todo o mundo”, afirma Osanai.