Negócios

Vendas de veículos dobram em junho e se aproximam de nível pré-pandemia

O segmento de automóveis e comerciais leves teve avanço de 116% sobre o mês anterior; no acumulado do ano, porém, a retração é de quase 40%

Concessionárias: reabertura contribuiu para aumento das vendas (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)

Concessionárias: reabertura contribuiu para aumento das vendas (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)

JE

Juliana Estigarribia

Publicado em 2 de julho de 2020 às 12h27.

Última atualização em 2 de julho de 2020 às 16h53.

O setor automotivo está comemorando uma retomada expressiva das vendas. Em junho, os emplacamentos de automóveis e comerciais leves subiram 116% em relação a maio, para 122.772 unidades.

De acordo com a Fenabrave, que reúne as concessionárias, se somados caminhões e ônibus, o volume caminha para se aproximar dos níveis pré-pandemia, de cerca de 200.000 unidades.

"Observamos uma expressiva melhora das vendas em junho, explicada pelo retorno das atividades dos Detrans, principalmente em São Paulo, além da reabertura das concessionárias para vendas na capital paulista e outras localidades”, diz Alarico Assumpção Júnior, presidente da Fenabrave.

No acumulado do primeiro semestre, as vendas atingiram 808.700 unidades entre leves e pesados, uma queda de 38% em relação a igual período do ano passado.

Assumpção acredita que o aumento das vendas, em junho, reflete parcialmente a demanda represada desde o início da pandemia. "Observamos também uma melhora nos índices de confiança por parte do consumidor e dos empresários", diz.

No entanto, o aumento significativo do custo do crédito sinaliza que a confiança está longe de melhorar. O endividamento das famílias e das empresas vem crescendo, conforme reportagem da revista EXAME desta edição, o que deve contribuir para piorar o ambiente econômico e, consequentemente, o acesso a linhas de financiamento em diversos setores, incluindo o automotivo.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusFenabraveMontadorasVeículos

Mais de Negócios

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Conheça a CEO que nunca descansa, nem cobra salário – isso porque ela é uma inteligência artificial

Mais na Exame