Negócios

Vendas da Abercrombie & Fitch despencam

Companhia divulgou resultados bem abaixo do esperado por uma queda na frequência de clientes em suas lojas


	Loja da Abercrombie & Fitch em Nova York: companhia disse que seus resultados podem cair ainda mais durante o trimestre atual
 (Scott Eells/Bloomberg)

Loja da Abercrombie & Fitch em Nova York: companhia disse que seus resultados podem cair ainda mais durante o trimestre atual (Scott Eells/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 22 de agosto de 2013 às 16h46.

A loja de grife para adolescentes Abercrombie & Fitch divulgou vendas comparáveis e lucro bem abaixo do esperado por Wall Street nessa quinta-feira, creditando o pior desempenho à queda na frequência de clientes a suas lojas, e ao mesmo tempo disse que os negócios podem cair ainda mais durante este trimestre de volta às aulas.

A companhia disse que as vendas comparáveis, incluindo as online e de lojas abertas no ano passado, caíram 10 por cento no segundo trimestre encerrado no dia 3 de agosto. Analistas esperavam uma queda de apenas 2,5 por cento.

As empresas rivais Aeropostale e American Eagle Outfitters também estão lutando em um ambiente em que os jovens compradores aparentemente se mostram menos interessados em roupas de grife do que na variedade de mercadorias oferecida por cadeias como Zara, Forever 21 e H&M.

"Uma geração de clientes seguiu em frente, e a nova geração não vê a Abercrombie como 'cool", disse Erik Gordon, um professor da Ross School of Business da Universidade de Michigan.

O presidente-executivo da Abercrombie, Mike Jeffries, disse que os clientes adolescentes estão sentindo mais pressão que outros consumidores.

"Consumidores em geral estão se sentindo melhores em relação ao ambiente econômico", disse Jeffries a analistas da Wall Street em ligação. "Mas no caso do jovem consumidor é menos." (Reportagem por Phil Wahba)

Acompanhe tudo sobre:abercrombie-fitchBalançosEmpresasgestao-de-negociosLucroResultadoRoupas

Mais de Negócios

Rodízio caro: rede de restaurantes Red Lobster pede recuperação judicial com dívida de US$ 1 bilhão

A startup que pretende usar um fundo de R$ 150 milhões para salvar negócios no Rio Grande do Sul

Como a Amazon quer fazer pequenos e médios negócios brasileiros venderem nos Estados Unidos

Francal se transforma em ecossistema para eventos e apresenta novo hub de negócios

Mais na Exame