Negócios

Um terço das empreendedoras espera crescer 30% este ano. Veja como elas pretendem chegar lá

Pesquisa do Mercado Pago traça perfil das empreendedoras brasileiras e principais estratégias que irão apoiar o crescimento de pequenos negócios femininos em 2023

Empreendedorismo feminino: expectativas positivas para 2023, segundo pesquisa do Mercado Pago (Morsa Images/Getty Images)

Empreendedorismo feminino: expectativas positivas para 2023, segundo pesquisa do Mercado Pago (Morsa Images/Getty Images)

Maria Clara Dias
Maria Clara Dias

Repórter de Negócios e PME

Publicado em 7 de março de 2023 às 08h00.

Última atualização em 7 de março de 2023 às 10h25.

Apesar do cenário desafiador para as pequenas empresas brasileiras, as lideranças femininas à frente desses negócios estão otimistas com o futuro. De acordo com uma pesquisa do Mercado Pago, fintech de pagamentos do Mercado Livre, as mulheres empreendedoras brasileiras estimam multiplicar suas receitas e crescer ao menos 30% em 2023.

Empreendedorismo feminino

Para se debruçar no perfil, principais dores e expectativas dessas empreendedoras, a empresa realizou uma pesquisa que ouviu mais de 4.000 mulheres durante o mês de fevereiro de 2023. Entre os principais achados, está o fato de mais da metade (51%) terem o empreendimento como sua principal fonte de renda ou, ainda, boa parte da receita familiar vinda dali.

Já em relação ao perfil demográfico dessas líderes, a pesquisa identificou que quase metade (49%) são pardas, 39% são brancas e 9% são pretas. A faixa etária predominante é de 30 a 39 anos, com 38% das respostas. Na sequência estão empreendedoras entre 40 e 49 anos.

Como elas vão crescer?

Para dar conta desse crescimento, é esperado que as empreendedoras adotem estratégias ligadas à digitalização do negócio. De acordo com as pesquisas, elas miram um maior número de anúncios nas redes sociais, que devem concentrar esforços em 54% das respondentes. Elas também estimam:

  • vender mais pela internet e
  • vender mais em marketplaces, como o próprio Mercado Livre.

Somadas todas essas plataformas, é possível afirmar que pelo menos 93% das mulheres empreendedoras pretendem ampliar suas estratégias digitais.

"Muitos negócios que antes eram apenas físicos, ao precisarem ir para o mundo digital, encontraram na retomada das atividades o phygital. Essa direção também acompanha a mudança de comportamento dos consumidores e um olhar mais apurado das empreendedoras em relação às necessidades de seus clientes"Gabriela Szprinc, head de pagamentos do Mercado Pago

De olho nas sazonalidades

Na esteira das ações adotadas pelas empreendedoras para crescer receita e pivotar o negócio está também o olhar atento às datas sazonais do calendário. De olho no possível pico de vendas em datas comemorativas como Dia das Mães, Natal e Dia dos Namorados, elas já estão preparando promoções e ações para agilizar entregas e ampliar o método de pagamento com antecedência, indica a pesquisa.

“Ainda olhando para as estratégias de crescimento, as datas sazonais voltaram a ganhar força no planejamento de negócios das empreendedoras. As três principais são Dia das Mães, Natal e Dia dos Namorados. Mas datas como Dia do Consumidor e Black Friday começam a ter mais relevância para elas”, diz Szprinc.

Que dia é o Dia das Mulheres?

Lançado esta semana, o estudo do Mercado Pago tem como plano de fundo a celebração do Dia Internacional das Mulheres, comemorado em 8 de março. A data visa reconhecer a importância da equidade de gênero e do protagonsimo feminino na sociedade e no mundo corporativo.

Além do Dia da Mulher, outras datas sazonais também buscam trazer luz à relevância da participação feminina nos negócios, como o Dia do Empreendedorismo Feminino, comemorado anualmente em 19 de novembro.

Acompanhe tudo sobre:Empreendedorismoempreendedorismo-feminino

Mais de Negócios

Justiça aprova plano de recuperação extrajudicial da Casas Bahia

De pequena lanchonete à franquia bilionária: o que o sucesso do McDonald’s ensina aos empreendedores

Desenrola Pequenos Negócios renegocia R$ 1,25 bilhão até 12 de junho

Executivos veem a inteligência artificial como um “divisor de águas”

Mais na Exame