Negócios

Susep autoriza a seguradora Allianz comprar a SulAmérica Auto por R$ 3 bi

Com a aprovação prévia da autarquia publicada na sexta-feira, 26, a Allianz se prepara para concluir a operação

SulAmérica: o plano é focar sua atuação em seguros para pessoas, abrindo mão dos seguros de sinistros (SulAmérica/Divulgação)

SulAmérica: o plano é focar sua atuação em seguros para pessoas, abrindo mão dos seguros de sinistros (SulAmérica/Divulgação)

NF

Natália Flach

Publicado em 29 de junho de 2020 às 17h51.

Última atualização em 29 de junho de 2020 às 18h51.

Mais de dez meses depois do acordo firmado, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) concedeu autorização prévia para a Allianz adquirir o controle societário da SulAmérica Auto, divisão de seguros automotivos e ramos elementares. Na época, a operação foi avaliada em 3 bilhões de reais. A autarquia denomina “aprovação prévia”, porque a operação ainda está sujeita ao cumprimento das formalidades legais e condições previstas contratualmente. 

Até que se efetive a compra, as partes continuarão a conduzir seus negócios de forma independente. Nada muda para os clientes, corretores, assessorias e colaboradores de ambas as companhias.

A Allianz Seguros atua em ramos elementares e saúde empresarial e está presente em todo o território nacional por meio de 48 filiais e aproximadamente 15.000 corretores de seguros. Encerrou 2019 com 3,3 bilhões de reais em prêmios emitidos.

Em entrevista à Exame, em agosto do ano passado, após fechar o negócio com a Allianz, a SulAmérica disse que o plano é focar sua atuação em seguros para pessoas, abrindo mão dos seguros de sinistros. Na época, 76% da receita da SulAmérica vinha de seguros de saúde e odontológicos. Além deles, há o seguro de vida, previdência e gestão de ativos, que representavam 9% do negócio. A parte de seguro de automóveis e ramos elementares (que oferecem garantia em caso de perdas e danos sobre objetos ou pessoas) respondiam por 15% do faturamento.

Acompanhe tudo sobre:AllianzFusões e AquisiçõesSulAmérica

Mais de Negócios

Essa fintech acaba de captar R$ 8 milhões para ajudar brasileiros a investir no exterior

Imóveis, cheques e itens de luxo são mais usados em crimes financeiros do que criptomoedas

Apple mantém diálogos com concorrente Meta sobre IA

30 franquias baratas para começar a empreender a partir de R$ 9.500

Mais na Exame