Negócios

Steve Jobs, CEO da Apple, tira licença médica

Chefe de operações, Tim Cook, substituirá Jobs no cargo de presidente-executivo

Steve Jobs, CEO da Apple, já havia tirado licença médica em 2009 (Justin Sullivan/Getty Images)

Steve Jobs, CEO da Apple, já havia tirado licença médica em 2009 (Justin Sullivan/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de janeiro de 2011 às 14h10.

São Paulo – O fundador e presidente-executivo da Apple, Steve Jobs, ficará afastado do cargo para cuidar da saúde. Em nota escrita para os funcionários da empresa, o executivo afirmou que vai continuar como CEO, mas ficará envolvido apenas em decisões mais estratégicas para a companhia.

No início da 2009, Steve Jobs também tirou licença médica, quando afirmou que seus problemas de saúde eram mais complexos do que imaginava. Na época, Jobs comunicou que lidava com um “problema hormonal”, que teria sido responsável pela perda de peso em 2008. Ainda não se sabe se seu atual afastamento está relacionado ao transplante de fígado feito em 2009 ou se o câncer no pâncreas voltou.

O atual chefe de operações da Apple, Tim Cook, ficará no lugar de Jobs durante o tempo em que ficar de licença. Em nota, o fundador da Apple afirmou que tem “grande confiança de que Tim e o resto da equipe executiva vão fazer um trabalho maravilhoso, executando os empolgantes planos que têm para 2011”.

No comunicado, Steve Jobs pediu discrição sobre seu quadro de saúde. “Eu amo muito a Apple e espero estar de volta logo que eu puder. Entretanto, minha família e eu agradeceríamos muito pelo respeito à nossa privacidade”.

Acompanhe tudo sobre:AppleEmpresáriosEmpresasEmpresas americanasempresas-de-tecnologiagestao-de-negociosLiderançaPersonalidadesSteve JobsTecnologia da informação

Mais de Negócios

10 franquias baratas de limpeza para empreender a partir de R$ 27 mil

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Mais na Exame